PT: 44 anos ao lado do povo
PT: 44 anos ao lado do povo

Em 10 de fevereiro de 1980, há 44 anos, a fundação do Partido dos Trabalhadores foi oficializada em São Paulo. Resultado dos anos anteriores de lutas, greves e reivindicações, a sigla partidária nasceu das mãos dos estudantes, militantes de esquerda, artistas, intelectuais e de movimentos sindicais, já firmando seu compromisso de lutar pelos interesses e bem-estar da classe trabalhadora brasileira.

Menos de um ano antes da oficialização do partido, em 1º de maio de 1979, o PT tornou pública para a população sua Carta de Princípios, o documento trazia uma análise da situação econômica do país e as dificuldades enfrentadas pelos trabalhadores naquele cenário da ditadura militar. Insuflada pela greve geral dos metalúrgicos do ABCD em que um dos líderes do movimento, Luís Inácio Lula da Silva, realizou um discurso histórico, a carta reforçava a importância da união das forças e da resistência dos trabalhadores.

“Hoje nesse país já não se engana mais o trabalhador como se enganava em outro tempo. É chegado o momento, companheiros, de olharmos para a frente e vermos o que está acontecendo nesta terra”, declarou Lula na sede da greve no ABC Paulista, em 1º de maio de 1979, discursando para mais de 60 mil operários.

Foto: Fernando Pereira/CPDoc do JB

A década de 1980 teve importantes marcos políticos para o Brasil com a participação direta do partido. Logo em 1982, Gilson Menezes foi eleito como o primeiro prefeito petista pela cidade de Diadema. Em janeiro de 1984 aconteceu o histórico comício do movimento Diretas Já, que reivindicava eleições diretas para a presidência do País, o PT foi fundamental na mobilização e adesão popular às manifestações. Em 1988 uma nova Constituição era promulgada com propostas progressistas que traziam políticas públicas e direitos sociais fortalecidos graças à forte atuação de partidos de esquerda, incluindo o PT. O ano seguinte foi marcado pela chegada do então Deputado Federal Lula ao segundo turno das eleições para a presidência da república. Os anos seguintes seriam marcados pela evolução e fortalecimento do partido pelo País, consolidando uma referência para a esquerda brasileira e América Latina.

Com 61% dos votos, Luiz Inácio Lula da Silva foi eleito presidente do Brasil em outubro de 2002, o primeiro presidente de esquerda do País governou pelos 8 anos seguintes. Os dois primeiros mandatos petistas foram marcados pelo crescimento econômico brasileiro, avanço de políticas públicas e criação de programas sociais como o Bolsa Família, que mudaram a realidade da população mais pobre. Lula também consolidou a imagem do Brasil para a comunidade internacional como um País cada vez mais promissor, estabelecendo boas relações com os principais líderes mundiais e atraindo cada vez mais investidores.

Em outubro de 2010, o Partido dos Trabalhadores fez história novamente elegendo a primeira presidenta do Brasil, Dilma Rousseff, que foi eleita com 55 milhões de votos e reeleita em 2014 pelo povo brasileiro. Seus mandatos deram continuidade ao que já dava certo anteriormente e trouxeram ainda mais avanço ao País, como a ascensão da Classe C, que passou a ter mais poder aquisitivo e a aquecer a economia. A Petrobras também foi protagonista em seu governo, os investimentos no recém-descoberto Pré-Sal, colocaram o Brasil entre os maiores produtores de petróleo do mundo. Foi em seu mandato também que o País saiu do mapa da fome segundo a Organização das Nações Unidas para Alimentação e Agricultura (FAO), em 2014.

Foto: Daniel Pearl Bezerra Flickr

O caráter democrático e progressista do PT, visando o bem-estar do trabalhador e dos mais pobres, sempre despertou o descontentamento de muitos, principalmente daqueles contrários à agenda do partido. Essa inconformidade levou a episódios como o golpe de 2016, sofrido pela presidenta Dilma, acusada de um crime pelo qual foi inocentada pouco tempo depois. Em 2018, outra violação contra a democracia aconteceu, com o PT como alvo novamente, em uma ação arquitetada o ex-presidente Lula foi preso e impedido de concorrer às eleições daquele ano.

Antes de se apresentar na sede da Polícia Federal, em 7 de abril de 2018, o líder petista realizou um discurso histórico na sede do Sindicato dos Metalúrgicos, em São Bernardo do Campo, e foi ovacionado pela militância petista, apoiadores e população. “Eu não estou acima da Justiça. Se eu não acreditasse na Justiça, eu não tinha feito partido político. Eu tinha proposto uma revolução nesse País. Mas eu acredito na Justiça, numa Justiça justa […] E o que eles não se dão conta é que, quanto mais eles me atacam, mais cresce a minha relação com o povo brasileiro”, exclamou na ocasião.

A partir daquele dia o ex-presidente passou 580 dias preso, sendo solto no dia 8 de novembro de 2019. Durante todo o período a militância petista esteve ao lado dele, mostrando a força do partido na Vigília Lula Livre que fazia companhia do lado de fora da PRF em Curitiba. Essa época também foi marcada pela perda de seu irmão e neto, tendo conseguido acompanhar somente o velório do pequeno Arthur, de 7 anos. Apesar desses episódios, o Partido dos Trabalhadores se manteve mais sólido do que nunca e, em 2021, superou a marca de 1,6 milhão de filiados, segundo o Tribunal Superior Eleitoral, mesmo ano em que Lula foi inocentado.

Foto: Ricardo Stuckert

Como um presságio, as redes sociais resgataram uma antiga frase dita por Lula enquanto era julgado em 2016.

“A partir de agora, se me prenderem, eu viro herói. Se me matarem, viro mártir. E se me deixarem solto, viro presidente de novo”.

Em 2022 Luiz Inácio Lula da Silva foi eleito para seu terceiro governo como presidente da República do Brasil com mais de 60 milhões de votos, e o PT emplacou seu quinto  mandato presidencial. No mesmo ano foi o partido que mais elegeu governadores no País, ocupando 4 estados, 69 deputados e deputadas federais para representar o partido na câmara, são 13 parlamentares a mais que o ano anterior.

“União e Reconstrução” é o atual slogan do governo, que reflete os ideais de um partido que luta pelo Brasil desde o período da ditadura, sempre estando do lado certo: o lado do povo. Mais de 4 décadas, 5 mandatos, golpe, injustiças e retorno pelas mãos da população brasileira, o Partido dos Trabalhadores comemora mais um aniversário do lado da população, levantando a mesma bandeira de quando foi fundado por mãos operárias 44 anos atrás.

Do PT Paulista

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *