“Não se pode punir professores pelo fracasso da gestão educacional de Serra”

27/06/2008 14:12:00

Educação

 

O deputado Roberto Felício, líder da bancada do PT na Assembléia Legislativa, tem realizado no Parlamento ações que visam fazer com que o governador Serra e a secretária Maria Helena revoguem as Leis e os Decretos que estão sufocando a categoria.

Esta semana, Roberto Felício organizou na Assembléia Legislativa audiência pública para mostrar que a Lei 1041/08 (que estipula o número de 6 faltas anuais) é inaceitável, porque responsabiliza os educadores pelas más condições da Educação em São Paulo.

 “Não se pode punir a categoria pelo fracasso da gestão educacional do governo Serra. O problema não está nos professores, mas na incompetência tucana instalada no Palácio dos Bandeirantes”, disse o parlamentar petista.

Na semana passada, Roberto Felício já havia solicitado a convocação da secretária de Educação, para que ela explicasse os motivos de ter implantado nas escolas determinações absolutamente autoritárias, como a que limita o número de faltas para tratamentos de saúde ou as que exigem três anos para as remoções.

Roberto Felício apresentou Projeto de Decreto Parlamentar (PDL) nº 25/08 para exigir a imediata revogação do decreto nº 53.037/08, que além de autoritário é inconstitucional.

Para o deputado, a greve vitoriosa dos professores tem demonstrado que a categoria reage contra uma situação insustentável na Educação. “No governo de Serra e Maria Helena, professores são mal remunerados, trabalham em situações estressantes, com más condições de trabalho, salas superlotadas e no convívio diário com a violência. Estão mais suscetíveis ao adoecimento e a problemas psicológicos”, afirma Felício.

Ainda segundo o líder petista, “a força e determinação da categoria obrigou o governo a recuar.  A adesão de mais de 70% das escolas à greve possibilitou grandes manifestações, com dezenas de milhares de educadores nas ruas. A categoria tem todo apoio da bancada do PT da Assembléia Legislativa de São Paulo”.

 

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *