5 mil pessoas protestam contra a privatização de Parques Estaduais

24/06/2013

Protesto

O risco dos parques estaduais do Jaraguá, o Parque Estadual da Cantareira, o Parque Estadual de Campos do Jordão, Estação Experimental de Itirapina e a Floresta de Cajuru ficarem por 30 anos nas mãos da iniciativa privada, levou cerca de cinco mil pessoas, fazerem ontem(23/6), Ato em Defesa dos Parques Estaduais, com um abraço no Parque do Jaraguá.

Os manifestantes iniciaram o Ato por volta das 10h, na esquina das ruas Mauro de Araújo Ribeiro e Alexios Jafet e seguiram para a entrada do parque, onde permaneceram por cerca de duas horas.

O ato, convocado pelo Facebook, a partir da iniciativa do líder da Bancada do PT, deputado Luiz Claudio Marcolino, em parceria com movimento de moradia, culminou num protesto contra o Projeto de Lei 249 do governo Alckmin, que autoriza a exploração pela iniciativa privada dos cinco parques paulistas. Para os organizadores do protesto, a medida representa a privatização dos parques e podem contribuir para a degradação ambiental.

O deputado Marcolino destacou que o Parque da Cantareira abriga nascente de água e é responsável por parte do abastecimento de água à população de Região Metropolitana. Outra observação feita por Marcolino é quanto ao cheque em branco, da propositura que permitirá o uso e exploração do solo pelo setor privado que vir a explorar a área.

O parlamentar aponta para a possibilidade da cidade de São Paulo sediar a Expo 2020, o que ocorreria na região oeste, onde está situado o Parque de Jaraguá e que corre o risco de sofre impactos ambientais com a exploração imobiliária, com a construção de chalés e hotéis.

Resistência na Assembleia

A Bancada do PT mantém resistência à propositura do governador e entre outras medidas de obstrução a medida, foi a requisição de realização de Audiência Pública para debater o projeto, com a presença de ambientalistas, usuários e moradores das imediações da área dos Parques estaduais.

São autores do requerimento os parlamentares petistas: Ana do Carmo, Professor Tito, Marcos Martins e Luiz Claudio Marcolino.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.