A máscara do governo

17/08/2005 15:50:00

Está na hora de cair a máscara do governo. No período eleitoral, o governador Geraldo Alckmin propaga para todos os cantos a sua preocupação e dedicação aos projetos sociais, o que inclui a prática do Esporte. Fez o maior estardalhaço com a implosão do Carandiru e a transformação daquele espaço num Parque da Juventude. A idéia ganhou força, muito mais em função dos resultados positivos da prática do Esporte e da inclusão social provocados pelos CEUs (Centros Educacionais Unificados) da Administração da prefeita Marta Suplicy, do que pela vocação social do governo estadual em investimentos para a juventude. Apesar da Secretaria de Esporte ter mudado sua denominação para Secretaria da Juventude, Esporte e Lazer, abrindo um capítulo especial para a Juventude no ano de 2004, dos oito programas voltados para a Juventude, cinco deles deixaram de cumprir a execução orçamentária. O orçamento de 2004 deixou de liquidar R$ 22.400.000,00 previstos para os programas da Secretaria da Juventude, Esporte e Lazer, o que significa o descumprimento de 28,5% do orçamento aprovado para essa Secretaria.

Para surpresa, mas na verdade deixa de ser surpresa, uma vez que o governo não tem política pública para o Esporte e usa da prática assistencialista para enganar a opinião pública, no Diário Oficial de 08/03 último está publicado o Decreto nº 49.445 de 07/03/05, em que o governador Geraldo Alckmin suplementa a Administração Geral da Secretaria de Energia, Recursos Hídricos e Saneamento com R$ 22.000.000,00 retirados do Programa Implantação do Parque da Juventude, da Secretaria da Juventude, Esporte e Lazer. Assim, essa Secretaria que apresenta o menor orçamento do Estado, com R$ 81.945.174,00, dos quais, R$ 21.488.000,00 se referem a suporte administrativo e obrigações previdenciárias, restando para os demais programas apenas R$ 60.457.174,00, agora tem o seu orçamento reduzido em mais 22 milhões de reais para o exercício de 2005, totalizando a miséria dos R$ 38.457.174,00 . Não bastasse isso, um novo Decreto do Governador, nº 49.545 de 19/04/05, transferiu mais R$ 7.200.000,00 da Secretaria da Juventude (Implantação do Parque da Juventude) para a Secretaria da Energia, Recursos Hídricos e Saneamento, reduzindo o orçamento do Esporte para R$ 31.257.174,00. O governo estadual nunca teve a preocupação de fazer do Esporte e do Lazer um instrumento de política social. Na verdade, o Esporte e o Lazer são usados na forma de uma política assistencialista, de benefícios e benesses para entidades privadas e currais eleitorais, a exemplo dos torneios realizados em 2003, como a Copa de Futebol Sidney Beraldo e o Campeonato de Futsal Gabriel Chalita. Os únicos programas de visibilidade no Esporte são os Jogos Regionais e os Jogos Abertos do Interior, em que 90% dos valores são oriundos de recursos federais vinculados. A máscara já não consegue encobrir tanta demagogia.

O governador Geraldo Alckmin não tem política pública para o Esporte, diminui o orçamento da Secretaria da Juventude, Esporte e Lazer e neste ano colocará 170 milhões de reais no Programa Escola da Família, a pretexto de oferecer Esporte para a comunidade. O corpo docente da escola, que é o elo de ligação entre a família e a escola, não está envolvido no programa. É evidente que não havendo qualquer aspecto educativo no programa, a formação educacional, a prevenção da violência e o exercício da cidadania dão lugar ao sabor do acaso, para que situações aconteçam, inclusive, com o predomínio da marginalidade. Os 25 mil universitários (de qualquer área) contratados para tomar conta da escola, não têm formação e nem autoridade para controlar quem quer que seja numa praça de Esporte da escola.

Como inexiste uma Cultura Esportiva na sociedade, a comunidade não tem como participar desse programa e, se o fizer, ainda assim estará envolvida em risco de vida.
O fato é, que para comprovar algumas informações, visitamos uma escola estadual inclusa no programa, durante três finais de semanas consecutivos. Além da faixa na frente da escola que identifica a existência do programa, há um pequeno cartaz em folha de cartolina, com os dizeres: Horário de funcionamento: sábado das 9:00 às 17:00 horas e domingo das 9:00 às 16:00 horas: Quadra grande: futsal; Quadra pequena: volei: Pátio coberto: ping-pong. Esse é o programa social revolucionário que desenvolve atividades esportivas e culturais nas escolas nos finais de semana. Das três vezes que visitamos a escola, numa delas tivemos a oportunidade de encontrar seis pessoas, entre monitores e funcionários da escola. Nas demais, ninguém, a não ser um menino batendo bola na tal quadra grande. Voltamos a afirmar, que o Programa Escola da Família é um dos maiores engodos sociais do governo estadual.

Como o governador não tem política pública para o Esporte, agora vai passar o recibo de sua incompetência administrativa, iniciando o processo de privatização do Ginásio do Ibirapuera.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.