Ajuste Fiscal do Governo Alckmin recai sobre investimentos

22/05/2015

Finanças

Os tucanos sempre se vangloriam de que são especialistas em “choques de gestão”, reduzindo o custeio e abrindo espaços para os investimentos. Grande falácia.

Quando analisamos os ajustes fiscais, podemos observar que os cortes recaem mesmo sobre os investimentos. Sempre existe pouca margem de manobra para redução de gastos orçamentários no custeio da máquina pública ou no pagamento da dívida.

Quando comparamos o primeiro quadrimestre de 2014 em relação ao mesmo período de 2015, vemos que o governo continua gastando este ano na manutenção da máquina pública no mesmo ritmo do ano passado.

Analisando as despesas com custeio (funcionalismo e outras despesas correntes) de janeiro a abril de 2014, já haviam sido executados 48,23% do orçamento atualizado. Neste ano, em que o governo paulista tenta passar a imagem de “bom gestor” e preocupado em implementar um ajuste fiscal mais forte, o governo paulista já empenhou 48,14% das despesas previstas com o custeio.

O ajuste, portanto, vem recaindo sobre os investimentos (obras e aquisição de material permanente). Em 2014, nos quatro primeiros meses, o governo estadual já havia empenhado 30,47% do orçamento previsto, enquanto em 2015 o governo empenhou apenas 19,31%. Em valores nominais, uma queda de R$ 1,2 bilhão. (fonte: Assessoria de Finanças e Orçamento da Bancada do PT na Assembleia Legislativa de SP)

Veja em anexo tabela sobre a execução orçamentária do governo paulista.

Leia mais

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.