ALESP discute nesta terça (23-01) a criação de CPI do Metrô

22/01/2007 18:50:00

Deputados paulista discutem nesta terça-feira
(23-01) a criação de CPI do Metrô

A primeira reunião do colégio de líderes dos partidos da Assembléia Legislativa de São Paulo (Alesp) de 2007, deve discutir a criação da CPI do Metrô. A reunião acontece nesta terça-feira (23-01), após mais de 10 dias da tragédia ocorrida na Linha 4 (amarela). O líder da bancada petistas, deputado Enio Tatto vai propor a investigação do acidente, através de comissão parlamentar, com caráter suprapartidário.

A bancada do PT, na Assembléia Legislativa, esteve na última quarta-feira, 17/1 no local do acidente. Enio Tatto (PT), lembrou que já em junho de 2005, os deputados de oposição ao governo tucano de Geraldo Alckmin, solicitaram abertura de uma CPI para investigar irregularidades na contratação e na manutenção das obras das Linhas 4 – Amarela e 2 – Verde do Metrô.

Na época, além da CPI, de autoria do deputado Zico Prado (PT), outras iniciativas foram apresentadas com o intuito de evitar tragédias como a ocorrido na Linha 4. O deputado Simão Pedro protocolou Requerimento de Informação, em dezembro de 2005, destinado ao então secretário de Transportes Metropolitanos, Jurandir Fernando Ribeiro Fernandez, sobre a obra.

Também em abril de 2006 o deputado Simão Pedro denunciou “danos à ordem urbanística, riscos à segurança, integridade física, saúde e vida”, que foi o objeto de uma Representação encaminhada naquela ocasião ao Procurador Geral de Justiça, Rogério César Rebello Pinho, alertando para problemas causados em casas próximas à Linha 4 do Metrô.

Enio Tatto, líder do PT, em nome dos deputados petistas se solidariza com os familiares das vítimas desta fatalidade e ressalta que “não se trata de um incidente isolado, mas sim conseqüência de uma série de erros e descaso”. Os deputados petistas irão priorizar a instalação de uma CPI para investigar as causas deste lamentável acontecimento, punir os responsáveis e criar mecanismos legais de monitoramento de obras do Estado.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.