Baixada Santista reivindica mobilidade urbana

19/09/2011

Orçamento 2012

A mobilidade urbana na Baixada Santista foi um dos principais temas tratados durante a audiência pública que discutiu o Orçamento do Estado para 2012. A reunião, organizada pela Comissão de Finanças e Orçamento da Assembleia Legislativa, aconteceu nesta segunda-feira (19/9) na Câmara Municipal de Santos e contou com a presença de deputados, vereadores e representantes de diversas entidades.

A deputada do PT Telma de Souza afirmou que a mobilidade urbana na região está represada. “Não adianta termos esse patamar de riqueza, com porto e pré-sal, se não tivermos qualidade de vida”. Entre as obras mais necessárias, a deputada destacou o túnel entre Santos e Guarujá, o VLT (Veículo Leve sobre Trilhos) e a ponte para ligar a zona noroeste de Santos à zona das praias. Todas essas obras são promessas antigas dos tucanos que nunca saíram do papel. Telma também falou sobre a importância de obras na Alemoa para escoamento direto das cargas para o porto e investimentos no sistema hidroviário.

Ainda no tema mobilidade, Ricardo Correa, do Sindicato dos Bancários de Osasco e região, solicitou uma ligação entre Parelheiros e Itanhaém, e melhorias no aeroporto da cidade. Jessé Felix, da Associação Brasileira de Ciclistas, afirmou que o Estado de São Paulo não tem investido nesse meio de transporte. Segundo ele, o governo federal disponibilizou 38 mil bicicletas para o programa Bicicletas Comunitárias. “São Paulo não pegou nenhuma”, declarou o ciclista.

Outros temas foram levantados pelos participantes, que também reivindicaram parque tecnológico em função do pré-sal, equipamentos para o Hospital dos Estivadores, recuperação e implantação de uma Fatec na Hospedaria dos Imigrantes, construção de conjuntos habitacionais e mais investimentos em segurança.

O deputado do PT Luiz Claudio Marcolino destacou a qualidade da plenária e afirmou que essa é uma maneira de a população mostrar ao governo do Estado a importância de um Orçamento regionalizado e participativo.

Funcionalismo

Mas uma vez, o funcionalismo marcou presença na audiência pública do Orçamento. Representantes de diversas entidades solicitaram os 2% de contribuição do Estado para o Iamspe, reposição para os servidores inativos, recursos para a Defensoria Pública, respeito à data-base do funcionalismo, recursos para Fatecs e Etecs e valorização de seus profissionais.

Marcos Mendes, do Sindicato dos trabalhadores do Centro Paula Souza, disse que as Fatecs e Etecs estão perdendo a qualidade devido à evasão de professores que saem em busca de um salário melhor. Ele lembrou que, por outro lado, o governo tem contingenciado verbas. “O Estado tem verba suficiente para garantir um ensino de qualidade”.

Crack

O coordenador da Frente Parlamentar de Enfrentamento ao Crack e Outras Drogas, o deputado do PT Donisete Braga, apresentou os dados referentes ao consumo de drogas na Baixada Santista. Em 56% dos municípios da região o álcool é a droga mais presente. O crack aparece em segundo lugar, com 44%. Nenhum município da Baixada declarou receber apoio do Estado para recuperação de usuários de drogas.

Para realizar a pesquisa, o deputado enviou questionário a todas as cidades do Estado com dez perguntas sobre o número de dependentes químicos, idade, droga mais presente na cidade, índices de reincidência nos tratamentos dos dependentes, números de leitos para tratamento e se recebem ou não recursos públicos para o combate às drogas.

O levantamento completo será apresentado na próxima quarta-feira (21/9), às 9h, na Assembleia Legislativa.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.