Corregedoria Nacional vai ouvir MP paulista sobre caso Alstom

04/11/2013

Petistas pedem correição

Crédito:

A decisão de abertura de procedimento para apurar atuação dos promotores na investigação do caso Alstom, foi tomada pela corregedoria após deputados estaduais do PT de São Paulo, Antonio Mentor e Luiz Claudio Marcolino, encaminharem pedido para que o conselho analise se houve falhas na condução das denúncias por parte do procurador federal Rodrigo de Grandis, na condução das investigações de pagamento de propina pela multinacional Alstom à agentes públicos e políticos do PSDB no governo de são Paulo.

Por quase dois anos o promotor manteve na gaveta pedidos de diligência dos promotores da Suíça. O Ministério da Justiça, chefiado por José Eduardo Cardozo, cobrou, em pelo menos três ofícios, que De Grandis respondesse a um pedido de investigação feito pelo Ministério Público da Suíça.

A cobrança foi feita por meio de ofícios encaminhados pelo DRCI (Departamento de Recuperação de Ativos e Cooperação Jurídica Internacional). Grandis, que recebeu em 2011 o pedido de apuração das autoridades europeias, também foi alertado verbalmente e via e-mail por promotores estaduais.

PT pediu correição

Ao corregedor nacional, Alessandro Tramujas Assad, os petistas solicitaram a realização de correição na Procuradoria da República em São Paulo para apuração de eventual prática de falta disciplinar, funcional de improbidade administrativa e prevaricação, bem como ocasional omissão e ou obstrução de documentos que podem elucidar crimes praticados contra o patrimônio do Estado de São Paulo.

O procedimento disciplinar é instrumento para apurar a atuação de promotores do Ministério Público do Estado de São Paulo no caso do suposto pagamento de propina pela empresa francesa Alstom em licitações para a compra de equipamentos para o Metrô de São Paulo durante os governos Mário Covas, Geraldo Alckmin e José Serra.

Para o deputado Antonio Mentor, o pedido levado ao CNMP solicita que o Ministério Público de São Paulo esclareça quais informações foram recolhidas sobre o caso e quais decisões foram tomadas.

O deputado Luiz Claudio Marcolino afirmou que “falhas” devem ser “corrigidas”. “Efetivamente, a partir das denúncias, nós estamos pedindo que todo o procedimento seja revisto. Queremos que seja feito um levantamento de todas as falhas em relação à investigação e que elas possam ser corrigidas. Tem muito o que investigar ainda”, completou o parlamentar.

Leia, abaixo, em anexo o documento entregue pelos deputados do PT ao Corregedor Nacional.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.