CUT comemora 30 anos em sessão solene

02/09/2013

História de luta

Por iniciativa dos deputados petistas Hamilton Pereira e Luiz Claudio Marcolino, foi realizada, em 2/9, sessão solene em homenagem aos 30 anos da Central Única dos Trabalhadores (CUT). A solenidade contou com a presença de representantes sindicais e de políticos ligados aos interesses dos trabalhadores.

Em seus pronunciamentos, tanto os dois parlamentares como outros oradores afirmaram que a CUT é mais que uma simples entidade sindical, pois se encarregou de lutar pela democracia, além de organizar todo o universo no qual estão inseridos trabalhadores, patrões, governo e legisladores desde sua fundação, em 1983. Hamilton Pereira destacou a realização da solenidade é fruto de um trabalho de dois anos dele e de Luiz Claudio Marcolino, líder da Bancada do PT.

Pereira recordou a história dos movimentos sindicais brasileiros, lembrando que houve tentativas de organizar movimentos de trabalhadores, como na época do Estado Novo. O então presidente Getúlio Vargas estruturou um movimento no qual, na realidade, os trabalhadores acabaram por ficar divididos a partir de vários critérios: por categoria, por região e diferentes datas de dissídios coletivos. Porém, essa forma de aglutinar trabalhadores, na visão do parlamentar, acabou por enfraquecer e não fortalecer os movimentos trabalhistas.

Ele também falou que, finalmente, em 1983, houve uma reunião dos trabalhadores em geral e os diretores dos mais diferentes sindicatos que havia na ocasião em torno de um movimento único. “A própria diretoria dos sindicatos se engajou e, após três dias de reunião, acabaram por consolidar toda a categoria na formação da Central Única dos Trabalhadores, que ora comemora seu 30º aniversário”, observou Hamilton.

Consolidação dos direitos trabalhistas

Marcolino lembrou que, com a CUT, conseguiu, ao longo desses anos todos, contribuir para a criação de políticas que vieram para garantir não só a legalização da negociação de salários bem como a consolidação de todos os direitos dos trabalhadores. Ele concluiu seu discurso dizendo: “A CUT, que contribuiu pela democratização das relações entre as classes trabalhadoras e o patrão, ainda tem muito a fazer”.

O deputado José Zico Prado (PT) também declarou que “enquanto houver o trabalhador e o patrão, haverá luta de classes” e um papel a ser desempenhado pela CUT.

O presidente nacional da CUT, eleito neste ano, Wagner Freitas, contou que a CUT é a quinta maior organização sindical do mundo. Ele mencionou a capacidade da entidade de priorizar os direitos do trabalhador, respeitando o homem e seu trabalho. Ele ainda alertou a todos que acompanhem a tramitação do Projeto de Lei 4330/2004, apresentado na Câmara Federal, “que trata de desregulamentar o que já está consolidado no mercado de trabalho no país”.

Fonte: Portal Alesp

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.