De cada 5 assassinatos polícia de Alckmin prende apenas 1 autor

15/05/2017

Crédito:

De cada 5 assassinatos polícia de Alckmin prende apenas 1 autor

Os dados foram publicados hoje pela imprensa com base nos dados de produtividade obtidos pela Folha de S Paulo, por meio da Lei de Acesso à Informação.

Segundo policiais e especialistas ouvidos pela reportagem o quadro atual do DHPP (Departamento de Homicídios e Proteção à Pessoa) é resultado de uma equação composta por falta de estrutura e de verba para investigações, baixa renovação, reduzida reciclagem do efetivo e práticas pouco eficazes de atuação.

Há anos a Bancada do PT tem apresentado denúncias de falta de investimentos na área da polícia científica, além da falta de profissionais como investigadores e delegados.
A baixa efetividade no combate à violência e impunidade está intrinsecamente ligada à falta de investimentos e recursos para a apuração dos assassinatos.

A Polícia Civil não informou a reportagem quantos policiais atuam no DHPP. A corporação, no total, tem cerca de 33 mil pessoas. Levantamento recente divulgado pela Folha mostrou que há mais policiais com mais de 61 anos (1.010), já próximos da aposentadoria, do que com até 30 anos de idade (681).

De acordo com a Secretaria Estadual da Segurança Pública, no ano passado, o DHPP abriu 1.994 investigações, e essas resultaram em 372 prisões (19%). Além de assassinatos (foram 844 no ano passado na cidade de São Paulo), o departamento apura casos de sequestro, pedofilia, desaparecimento e crimes de intolerância.

Prefeituras Pagam as Contas

Além da falta de investimentos o setor sobrevive graças às prefeituras que bancam os custos como aluguel, água, luz e até gasolina para as viaturas.

Nas duas últimas décadas o governo Alckmin tem empurrado para os municípios esta conta. Como o cidadão, quer segurança e cobra dos gestores municipais, estes acabam assumindo esta conta, o que agrava ainda mais as finanças dos municípios já sobrecarregadas no momento desemprego, retração da economia e aumento da demanda por mais políticas sociais.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.