Déficit cresce mais de 70% em maio

26/05/2014

Sistema Cantareira

Déficit da Cantareira cresce mais de 70% em maio

O déficit de água do Sistema Cantareira subiu 71,5% em maio, segundo levantamento feito pelo jornal Estado de S. Paulo com base nos boletins diários do comitê anticrise que monitora o manancial. Até a última sexta-feira (23/5), a diferença entre o volume de água que chegou às quatro principais represas do sistema e a quantidade retirada delas para abastecer a Grande São Paulo e a região de Campinas estava deficitária em 17,75 mil litros por segundo, o que levaria a uma perda de aproximadamente 46 bilhões de litros no mês.

Os dados mostram que, apesar da redução de 28% do volume de água retirado do sistema pela Companhia de Saneamento Básico do Estado de São Paulo (Sabesp) desde fevereiro, quando a crise foi anunciada pela empresa, o início do período tradicional de estiagem agravou a situação do Cantareira. Conforme o Estado antecipou, maio deve ser o mês mais seco da história do manancial, com uma vazão afluente de apenas 6,2 mil litros por segundo, ou 18% da média histórica do mesmo período.

Em março, o déficit foi reduzido significativamente, para 10,5 mil litros, e, em abril, para 10,35 mil litros por segundo. De acordo com a Sabesp, o resultado foi fruto de uma série de medidas implementadas pela companhia, como o remanejamento de água dos sistemas Alto Tietê e Guarapiranga para bairros da capital atendidos pelo Cantareira. Só isso responde por 47% da diminuição do volume retirado do manancial. Já 28% foi obtido com a redução do consumo pela população, e 25% com “gestão operacional”, como a redução da pressão na rede à noite, considerada racionamento noturno por alguns especialistas. A Sabesp nega.

fonte: site Brasil 247

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.