Demora faz vítimas deixarem de registrar boletim de ocorrência

28/10/2014

Insegurança pública

Em qualquer caso de violência, registrar um boletim de ocorrência é importante para que a polícia trabalhe com base nas estatísticas e venha a programar ações preventivas.

Mas a burocracia tem levado as vítimas a deixarem de fazer esse documento por causa da demora nas delegacias, e também porque não acreditam que o caso delas será mesmo resolvido.

Fernando Valentim tem um salão de beleza no centro de Suzano, na região do Alto Tietê, mas nem mesmo a câmera de monitoramento da Prefeitura em frente à loja põe medo nos bandidos. Nos últimos três anos foram cinco arrombamentos. A televisão de 50 polegadas é só um dos prejuízos que já teve. “Já me deram prejuízo de secadores, tesoura, duas TVs. Tem todo esse tipo de prejuízo”, conta.

Apesar dos prejuízos o cabeleireiro só fez um boletim de ocorrência. Nas outras vezes, ele nem tentou porque diz que na prática não é tão fácil assim. “Tem muita burocracia, você fica duas, três horas para fazer um boletim de ocorrência e não dá em nada. Não é isso, que vai trazer os seus pertences de volta. Acho que deveria ser feito até na viatura para facilitar a vida do povo”, sugere.

O baixo contingente policial é uma realidade que atinge a população do Estado em vários municípios, do interior paulista. A organização das Nações Unidas recomenda um policial para cada 250 habitantes.

Em São Paulo, ao somar- se o efetivo das Polícias Militar e Civil chega-se a aproximadamente 126 mil policiais, ou seja, um policial para cada 319 paulistas. (rm)

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.