Depois de truculência policial, reintegração é suspensa

26/03/2013

Pinheirinho II em SP

Crédito: G1

Reintegração de posse em área conhecida como Pinheirinho II está suspensa. Prefeito Haddad negocia utilidade pública para o terreno

Por hora foi suspensa a reintegração de posse de área localizada na Av. Bento Guelfi, bairro Jd. Iguatemi, no extremo leste da cidade, ação iniciada às 6h desta terça-feira, 26/03.
Um pedido da secretaria municipal de Negócios Jurídicos para transformar a área em utilidade pública garantiu a vitória parcial. Neste momento, advogados das cerca de 800 famílias e os proprietários da área estão reunidos no Fórum de Itaquera.

A área está ocupada pelas famílias a menos de um ano e nos últimos meses já havia uma negociação entre as famílias e o proprietário para que a área pudesse ser adquirida de maneira parcelada. No entanto, o dono passou a aumentar o valor do terreno, impossibilitando qualquer negociação. Uma ação judicial foi protocolada no Fórum de Itaquera e julgada procedente às 19h da última segunda-feira, 25/03.

Julgamento desumano

Antes do despacho do juiz, o deputado José Zico Prado (PT-SP) acionou a secretaria de Segurança Pública e Casa Civil pedindo intervenção para que a força policial fosse suspensa enquanto havia negociação, já que a prefeitura de São Paulo havia solicitado ao juiz um prazo de 120 dias para realocar as famílias. No entanto, o representante da secretaria não cumpriu com sua palavra: “Quero reiterar que a todo momento conversei por telefone na secretaria estadual de Segurança Pública. Expliquei que as exigências do juiz não foram cumpridas, que não havia condições mínimas para as famílias retirarem seus pertences. Ainda assim a ordem foi dada e as tropas avançaram sobre as pessoas. Isso é desumano. Esta é a política do governador Geraldo Alckmin, destruir sonhos, bater em gente honesta”, desabafou o deputado petista.

A ordem de reintegração passou a ser cumprida a partir das 10h de hoje. Homens da cavalaria, força tática, polícia militar invadiram com violência, desrespeitando o despacho do juiz que exigira no local 30 caminhões, duas ambulâncias, banheiros químicos e mão de obra para ajudar na remoção dos pertences das famílias. A ação truculenta, seguida de bombas de efeito moral, balas de borracha e cassetetes atingiram moradores e o vereador Alessandro Guedes (PT), que precisou ser levado ao hospital.

A ação violenta só cessou com a determinação do prefeito Fernando Haddad de tornar a área de utilidade pública via decreto, e a abertura de nova negociação junto ao Tribunal de Justiça.
Com essa nova perspectiva, o deputado José Zico Prado e as lideranças comunitárias da área aguardam novo despacho do juiz de Itaquera.

fonte: Ass. Imprensa – dep. José Zico Prado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *