Depredações e denúncia de estupro em escolas estaduais estão na mira do Ministério Público

16/06/2010 17:50:00

Violência escolar

 

 

A depredação de uma escola estadual em Santo André, no último final de semana, e uma investigação do Ministério Público sobre denúncia de estupro em uma escola de São Bernardo trouxeram para os jornais um problema que a comunidade escolar convive diariamente: a violência invadiu as salas de aula, deixando professores e alunos apreensivos e expostos a todo tipo de agressão.

O Ministério Público Estadual abriu processo para cobrar providências da Secretaria da Educação em relação às denúncias de uso de drogas, álcool, tentativa de estupro e falta de limpeza na Escola Estadual Ayrton Senna da Silva, localizada no Bairro Terra Nova, em São Bernardo.

Cerca de 80 estudantes protestaram em frente à escola, reivindicando soluções para o crescimento da violência na escola. A Apeoesp – Sindicato dos Professores do Ensino Oficial de São Paulo – listou os problemas das escolas estaduais de São Bernardo e enviou à Secretaria da Educação uma pauta de reivindicações, que inclui o caso da EE Ayrton Senna e também a falta de vidros nas janelas da EE Professora Pedra de Carvalho, no Jardim Vera Cruz.

Em Santo André, a Escola Estadual Manoel Grandino Casquel teve armários e prateleiras destruídos durante uma invasão de adolescentes. O ataque à escola localizada no Jardim do Estádio, bairro da periferia de Santo André, foi apenas mais um de uma série de outros atos de violência ocorridos na unidade.

Os exemplos de omissão e desrespeito em relação às escolas estaduais são abundantes. Na zona sul da capital paulista, os alunos da EE Professor Alberto Levy convivem diariamente com a prostituição. Os muros da escola tornaram-se referência para os ‘encontros’ agendados por prostitutas e travestis que atuam na região da Avenida Indianópolis.

A Escola Estadual Brigadeiro Gavião Peixoto, localizada em Perus (zona norte) também foi alvo de um atentado em outubro do ano passado, com o uso de bombas caseiras.

Adoecimento dos professores

O resultado de tanta violência é conhecido: para os estudantes, prejuízos no aprendizado; para os professores, dificuldades de lecionar e problemas de saúde. Levantamento realizado pelo Jornal Folha de São Paulo revela que a cada dia, um professor se licencia por dois anos das escolas estaduais de São Paulo.

A categoria enfrenta inúmeros obstáculos para continuar lecionando, em condições que garantam a saúde física e psicológica: são salas superlotadas, ausência de profissionais como psicólogos, assistentes sociais e inspetores, que poderiam auxiliar nos casos de indisciplina e violência, e falta de equipamentos pedagógicos essenciais, como bibliotecas e espaços de convívio para as crianças e adolescentes.

Professor da rede pública, Valdir Aguiar Ledo, defendeu em seu mestrado sobre indisciplina escolar, apresentado na PUC de São Paulo, a tese de que “as brigas dentro da sala de aula, os conflitos de gangues no interior das escolas e outras atitudes de desprezo à autoridade do professor resultam, cada vez mais, em licenças médicas, faltas, readaptações, exoneração e até em fracasso escolar.”.

 

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.