Deputada pede proteção para acampados de Serrana

07/12/2015

Moção

A deputada estadual Márcia Lia apresentou, na Assembleia Legislativa de São Paulo, moção de repúdio ao ato de violência praticado contra integrantes do acampamento “Alexandra Kolontai”, no município de Serrana, no último dia 28 de novembro.

De acordo com a parlamentar, famílias foram vítimas de lesão corporal e ameaças por parte de homens fortemente armados que se descolaram numa caminhonete até o local. “Segundo o Boletim de Ocorrência, as famílias foram forçadas a deixar o espaço e instigadas a abandonar a pretensão de incluir a fazenda Martinópolis dentro de alguma ação governamental de implantação de assentamento de trabalhadores rurais”, diz um trecho da moção de repúdio assinada por Márcia Lia.

A parlamentar apela para que o governador Geraldo Alckmin determine providências por parte da Secretaria Estadual de Segurança Pública. “Em especial, que as Polícias Militar e Civil sejam comunicadas sobre o perigo que as famílias correm de sofrer nova violência”, argumentou Márcia.

Desde 2008, o acampamento Alexandra Kolontai, do MST (Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra), reivindica a Fazenda Martinópolis para fins de reforma agrária. A Usina responsável pela fazenda, segundo o movimento, possui uma dívida de cerca de R$ 300 milhões em ICMS com o governo do estado de São Paulo, além de dívidas com a União e descumprimentos de leis trabalhistas e ambientais. “As famílias continuarão acampadas no anseio de ter suas reivindicações atendidas. A situação crítica, entretanto, se agrava, podendo ter um desfecho trágico para uma luta legítima que se arrasta há anos. É preciso um olhar atento do governo do estado”, argumentou a deputada.

Casa Civil

Na última semana, a deputada esteve em reunião com o chefe da Casa Civil do governo de São Paulo, Edson Aparecido, para pedir agilidade no processo de execução fiscal e adjudicação da área para a realização do assentamento. No início de novembro, Márcia visitou o local e conversou com lideranças.

Segundo ela, a situação das famílias na Fazenda Martinópolis é emblemática e lamentável. “Trabalhadoras e trabalhadores estão acampados há oito anos neste local, embaixo de lonas e vivendo em condições absolutamente precárias. Não é possível mais adiar”, disse, na ocasião.

Márcia, que é também coordenadora da Frente Parlamentar pela Habitação e Reforma Urbana e tem mantido um contato próximo aos diversos movimentos pró-moradia, reforçou que seu mandato está aberto ao diálogo e para ajudar a construir caminhos. “Eu quero somar forças. Quero ser um braço na Assembleia para contribuir com essas famílias que se encontram numa situação de extrema dificuldade”, enfatizou.

Da assessoria de imprensa da dep. Marcia Lia

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.