Deputados do PT questionam secretário sobre excesso de arrecadação do Estado

14/06/2011 21:45:00

Comissão de Finanças e Orçamento

 

 

“Uma peça de ficção”. Assim o deputado do PT Luiz Claudio Marcolino definiu a lei orçamentária do Estado de São Paulo durante reunião com o secretário da Fazenda, Andrea Calabi, na Comissão de Finanças, Orçamento e Planejamento que aconteceu nessa terça-feira (14/6).

Marcolino afirmou que o Estado arrecadou, em 2010, R$ 9 bilhões a mais do que o previsto. O deputado Simão Pedro lembrou que a Bancada do PT alertou para o problema, já que, à época, o governo Serra previa um crescimento da economia de 3,5% a 4%, enquanto todos os indicadores apontavam um crescimento maior.

Calabi responsabilizou a recuperação do Brasil à crise internacional pelo excesso de arrecadação.

“Mas isso tem acontecido sistematicamente. Subestima-se o Orçamento para que haja espaço para um uso mais livre desse excesso de arrecadação, sem as amarras da lei orçamentária”, destacou Simão Pedro.

O deputado ainda lembrou que, apesar do excesso de arrecadação, os investimentos ficaram abaixo do previsto na Defensoria Pública, Procon, Itesp, Polícia Civil, por exemplo. “E o governo do Estado tem condições de dar aumento salarial ao funcionalismo sem ferir a lei de responsabilidade fiscal”, afirmou Simão. O secretário reconheceu o achatamento salarial e disse que acredita ser possível uma recomposição.

Perguntado ainda sobre as dívidas dos assentados na região do Pontal do Paranapanema, o secretário disse ao deputado Simão Pedro que poderão ser renegociadas. “Vamos reapresentar o projeto de renegociação”.

O secretário também reconheceu que o sistema de substituição tributária é injusto e que deve ser reavaliado.

Simão Pedro e a deputada Ana Perugini questionaram o lançamento de despesas indevidas no percentual destinado à Saúde. Os deputados afirmaram que, apesar da inclusão do programa Viva Leite, da alimentação de presidiários, entre outras despesas, o percentual da Saúde não chegou aos 12% que determina a Constituição.

Já o baixo investimento do Estado no primeiro quadrimestre de 2011 foi destacado até por deputados governistas e o secretário afirmou que realmente não há mérito nenhum no superávit.

 

 

 

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *