Deputados petistas cobram explicações de Saulo

07/06/2006 00:50:00

Crédito:

Saulo, Enio Tatto e Siraque

Saulo foi convocado pela Comissão de Segurança Pública da Assembléia, para explicar a redução de recursos para o Programa de Segurança Escolar e sobre as medidas tomadas pelo governo para esclarecer os fatos que geraram os primeiros ataques do PCC em março deste ano a bases da polícia militar. A aprovação dos requerimentos aconteceu em 11/05, três dias após a aprovação aos requerimentos de convocação de autoria de Vanderlei Siraque e Renato Simões, ocorreu nova onda de ataques do PCC que provocou 174 mortes entre policiais militares, agentes de segurança, suspeitos civis e guardas municipais.

Segundo dados apurados pela Assessoria de Finanças da Bancada do PT, o Programa de Segurança Escolar recebeu em 2005 um orçamento de R$ 6. 372.milhões. No entanto, a proposta orçamentária enviada ao Legislativo para o ano de 2006 sofreu uma redução de 25% e os deputados apresentaram emendas que totalizaram em R$ 7 milhões.

Enio Tatto, líder do PT na Assembléia, disse não entender o por que a pasta de Segurança deixou de gastar verba disponível em seu orçamento de R$ 615 milhões na área de segurança pública, principalmente na área da inteligência policial.

Torcida Organizada
A presença de aproximadamente 47 homens da policia militar e 17 da Polícia Civil, que continuamente agiam como uma torcida organizada e faziam manifestações favoráveis ao governo conforme o comando do próprio secretário, foi repudiada pelos deputados Carlinhos Almeida e pelo presidente da Comissão de Direitos Humanos Ítalo Cardoso, que assim como Vanderlei Siraque repreendeu o secretário pela sua falta de postura diante aos parlamentares e ao Poder Legislativo.
Saulo levantou-se de sua cadeira e simulou uma abordagem policial, levantou as mãos para os altos, após os deputados advertirem sobre a não permissão pessoas armadas no plenário.
Enio Tatto indagou o fato de 40 viaturas estarem no estacionamento da Assembléia e a ausência desses veículos nas ruas para garantir o atendimento à população.

Respostas evasivas
Todas as vezes que foi interpelado a respeito das ações para conter os ataques do crime organizado e se os policiais foram previamente informados a respeito dos planos do PCC de atingir os policiais, o secretário se esquivou e recorreu ao argumento de que as investigações estavam sob sigilo.

Associação dos Delegados de Polícia do estado de São Paulo
Sindicato dos Delegados de Polícia do estado de São Paulo

Associação de Oficiais da Reserva da Polícia Militar

Sindicatos dos Peritos Criminais do Estado de São Paulo

Sindicatos dos Escrivães

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *