Estado corta investimentos e população sofre com o caos

15/02/2012

Panes na CPTM

Alckmin pisa no freio nos investimentos da CPTM e população sofre com o caos

Todos os dias os noticiários das emissoras de rádio da Capital divulgam alguma pane ocorrida nos trens da CPTM – Companhia Paulista de Trens Metropolitanos – e, nesta quarta-feira (15/2), houve uma colisão entre duas composições – uma locomotiva de manutenção e um trem de passageiros – na Linha 7 – Rubi, na Zona Oeste da Capital (próximo a estação Vila Clarice), deixando 51 feridos.

A mesma linha, na última semana (dia 9/2), apresentou problema no sistema de sinalização. Em 26 de janeiro último, outro acidente já havia ocorrido Linha 8 – Diamante, entre as estações Engenheiro Cardoso e Itapevi. O choque deixou seis feridos.

Corte nos investimentos gera o caos

Os passageiros reclamam, diariamente, que as estações estão sempre cheias e as composições demoram muito para passar, provocando superlotação. É o reflexo da falta de manutenção e dos atrasos nos projetos de modernização e expansão das linhas que sofrem com corte nos investimentos que a CPTM.

Somente em 2011, deixaram de ser aplicados R$ 242 milhões, ou seja, 31,4% menos que no ano anterior. Os cortes nos investimentos em 2011 do governador Geraldo Alckmin atingiram também a compra de trens – CPTM e Metrô. As compras sofreram queda de 56% em relação a 2010. Os valores gastos caíram de R$ 684 milhões para apenas R$ 260 milhões.

O próprio diretor de Planejamento da CPTM, Silvestre Eduardo Rocha Ribeiro, em entrevista à imprensa admitiu que toda a rede aérea de energia precisa ser renovada para aumentar a eficiência do sistema e enquanto isso não ocorrer as falhas continuarão.

Balanço 2008/2011 indica queda nos investimentos

Levantamento no SIGEO – Sistema de Acompanhamento da Execução do Orçamento, mostra que entre 2008 e 2011 praticamente todas as linhas da Companhia tiveram cortes entre o que foi previsto no Orçamento do Estado e o que foi efetivamente pago às empresas contratadas responsáveis pelas obras e serviços.

Para a implantação da Integração Centro, o gasto previsto no período era de R$ 98,9 milhões, mas o que efetivamente o governo tucano pagou foi R$ 44,9 milhões, ou seja, menos 54,5%.

A queda nos investimentos também foi bastante significativa na Linhas 7 – Luz-Jundiaí (-52,3%, o que corresponde a – R$ 415 milhões); Linha 8 – Júlio Prestes-Amador Bueno (-19,3%, – R$ 101 milhões); Linha 11 – Luz-Estudantes (-34,8%, – R$ 229,6 milhões); Linha 12 – Brás-Calmon (-53,1%, -R$ 353,4 milhões).

ERRATA

Em 15/2/12, data da publicação desta matéria, erroneamente foi usada como ilustração uma foto de um acidente ocorrido na Índia, em 3/2/12, e que não tem relação com o acidente que envolveu duas composições da CPTM, na Linha 7, próxima a estação Vila Clarice. Cabe esclarecer, que a foto foi retirada do ar, poucas horas depois, assim que foi verificado o erro.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.