Estudantes reafirmam protagonismo na CPI da Máfia da Merenda

23/11/2016

CPI da Máfia da Merenda

Crédito: Marina Moura

Sob ameaças de serem punidos e retirados de reuniões, estudantes permanecem firmes dando força à CPI

Estudantes que lutaram pela instauração da CPI, e conseguiram, acompanham reuniões, participam e dizem que voltarão a ocupar Alesp se não forem alcançadas conclusões mais definitivas

Embora a tropa de choque tenha tomado a Alesp hoje (23), dia da 19ª CPI da Máfia da Merenda, os estudantes não se deixaram intimidar e continuaram seu papel de protagonismo na CPI. Eles têm total interesse nas investigações de fraude de merenda nas escolas estaduais por serem os maiores prejudicados quando falta merenda em suas escolas ou recebem alimentos de má qualidade.

Os estudantes têm acompanhado de perto a CPI desde que ocuparam a Alesp no início do ano reivindicando instauração da Comissão. Eles participaram das sessões, cobrando dos deputados uma merenda digna e responsabilização dos culpados pelos desvios de verbas da merenda, fixando-se principalmente nos parlamentares da base governista, que em diversos momentos obstruíram as reuniões. Muitos dos estudantes foram retirados do plenário no decorrer das oitivas, na circunstância do depoimento do atual presidente da Casa, Fernando Capez (PSDB), suspeito de envolvimento no esquema, a polícia chegou a usar spray de pimenta para inibir os estudantes.

Mesmo já se aproximando da vigésima reunião da CPI, os estudantes continuam sendo revistados e ameaçados de serem retirados do plenário pelos mesmos deputados da base governista que apoiaram que as reuniões fossem realizadas em plenário menor, justamente para limitar o número de participantes.

Hoje o governo utilizou de jogada para votar quase 50 requerimentos pendentes da CPI de uma só vez numa tentativa de acabar com as investigações justamente agora que começam aparecer nomes relacionados ao governo Tucano nos depoimentos. Os deputados da Bancada conseguiram contornar a tentativa e os trabalhos seguirão fluxo normal.

Sob ofensas, estudantes prometem reocupar Alesp se CPI não tiver conclusão aceitável

Depois de terem ouvido ofensas do deputado estadual delegado Olim no início da reunião de hoje, que chamou todos que entram na Alesp de “bandidos”, os estudantes, assim como a Bancada do PT, mostraram-se revoltados com o desrespeito do parlamentar.

Muitos deles foram impedidos de entrar no plenário para acompanhar a sessão e ficaram do lado de fora, nos Corredores da Casa.

Quando Cássio Chebabi, ex-presidente da COAF (Cooperativa Orgânica Agrícola Familiar), que desviou milhões em propina, entrou em plenário, os estudantes entoaram: “Chebabi, safado, quer ficar calado”. E questionaram se ele “tem filho em escola do Estado”.

Embora tenha ficado comprovado que a delação feita por Chebabi ao Tribunal de Justiça não impede que ele deponha à CPI, como o mafioso tem usado como pretexto, Chebabi insistiu em manter o silêncio. Ao ser questionado pelos deputados na reunião de hoje sobre detalhes do esquema, Chebabi pouco falou, apenas reafirmando algumas informações fornecidas em sua delação.
Os estudantes prometem ocupar a Alesp, assim como já fizeram, caso a CPI termine subitamente, sem que importantes depoentes sejam ouvidos e sem conclusões mais definitivas.

Marina Moura

Leia mais

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.