Frente Parlamentar é criada para discutir pedágio no Rodoanel

25/09/2007 13:54:00

Transportes

Publicada no Diário Oficial do Poder Legislativo em 31 de agosto, a Frente Parlamentar para discutir o Pedagiamento no Rodoanel Mário Covas foi criada com o intuito de realizar debates, estudos e seminários sobre o tema, bem como dialogar com órgãos públicos, dar voz à população em geral e promover audiências públicas. O primeiro debate aconteceu em 24 de setembro, no Auditório Franco Montoro na Assembléia Legislativa.

A implantação do pedágio no trecho oeste do Rodoanel, em 15 praças nos 32 quilômetros da via, segundo o governo do Estado, deverá cobrir o custo de construção do trecho sul, que custará R$ 3,6 bilhões. Deste montante, um terço, ou seja, R$ 1,2 bilhões virá do PAC (Programa de Aceleração do Crescimento) do governo federal.

Considerando o preço das tarifas proposto, o usuário pagaria R$ 2,20 por trecho de quatro quilômetros percorridos. Se o usuário pagar dois pedágios de bloqueio ao dia, terá de desembolsar ao menos R$ 110 ao mês, ou R$ 1.320 ao ano. Se comparada, a soma acaba sendo, na maioria dos casos, maior do que se paga em IPVA ou até mesmo no seguro do carro. Se o usuário pagar pedágio de barreira, o valor sobe para R$ 2.640 anualmente, e caminhões pagariam valor ainda maior.

“Lembro-me perfeitamente de que o ex-Governador e Engenheiro Mário Covas sempre afirmou que o Rodoanel não seria pedagiado, certamente porque o usuário já paga para transitar nas rodovias de acesso às cidades. Agora, triste ironia, pretende-se pedagiar o Rodoanel Mário Covas”, argüiu o deputado Marcos Martins, que junto ao deputado Zico Prado, do mesmo partido, coordenam a Frente Parlamentar para discutir o Pedagiamento no Rodoanel Mário Covas .

Além do fator econômico, a Frente abordará os impactos que o pedágio deverá causar, como o aumento significativo do tráfego nas Marginais e nos centros das cidades vizinhas ao Rodoanel, como Osasco, Carapicuíba, Barueri, Taboão da Serra, Itapecerica da Serra e Embu das Artes.

Segundo o presidente do Sindicato das Empresas de Transporte do Estado de São Paulo (SETCESP), Roberto Granero, “Cerca de 30% dos caminhões que hoje utilizam o Rodoanel devem voltar a trafegar pelas Marginais”.

A iniciativa pretende que o pedágio seja amplamente discutido antes de sua implantação, o que, segundo o deputado Marcos Martins, “em momento algum foi feito”. Para ele, “o que atinge diretamente o bolso da população deve ser prioritariamente decidido junto à população”.

A frente é encabeçada pelos deputados estaduais Marcos Martins e Zico Prado, ambos do Partido dos Trabalhadores, e conta com a colaboração dos deputados Rui Falcão, Ênio Tato, Adriano Diogo, Ana do Carmo, Mário Reali, Simão Pedro, Roberto Felício, Antonio Mentor, Carlinhos Almeida e Amilton Pereira, todos do PT, além de Olimpio Gomes do PV, Carlos Giannazi e Raul Marcelo, os dois últimos do PSOL.

 

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.