Governo de São Paulo deve gastar R$ 700 milhões com um único teatro

18/11/2010 17:16:00

Gasto exarcebado

 

 

O governo do Estado de São Paulo deverá gastar mais de R$ 700 milhões na construção de um único equipamento cultural na cidade de São Paulo: o Complexo Cultural Teatro da Dança. Serão R$ 467 milhões em operações de crédito assumidas pelo Estado e o restante com recursos próprios do Tesouro Estadual. Este projeto inscreve-se entre as prioridades do governo Serra/Goldman, em negociação com a equipe de transição do governo Alckmin. Cabe lembrar que o projeto encontra resistências por parte de integrantes do próprio governo Goldman.

O secretário da Fazenda, Mauro Ricardo Machado Costa, discorreu sobre o tema, na última semana, aos deputados membros da Comissão de Finanças e Orçamento, quando abordou as novas operações de crédito.

Ele apontou entre os créditos a contratar o Complexo Cultural Teatro da Dança de São Paulo, que deve consumir segundo o Relatório de Gestão Fiscal R$ 467,4 milhões. Os investimentos iniciais previstos para o ambicioso projeto do Teatro, que deve ser construído na região da Luz, impressionam. Para se ter uma ideia, arquitetos estimam em R$ 400 milhões os investimentos iniciais para a construção do futuro Estádio do Corinthians, em Itaquera, que deve ser palco da abertura da Copa de 2014 e abrigar mais de 60 mil pessoas.

A polêmica em torno da pertinência da construção do Teatro da Dança como forma de revitalização da região é grande, uma vez que a área já apresenta dois grandes equipamentos culturais – Sala São Paulo de Concertos e o Museu da Língua Portuguesa – sem resultados efetivos na recuperação urbana da região.

A falta de investimentos imobiliários privados residenciais e comerciais na região, que colabore com a sua recuperação, é que estão no centro dos problemas observados.

Dois registros sobre o Teatro da Dança devem ser feitos. Primeiro, os recursos públicos envolvidos neste equipamento estão sendo anunciados no mesmo momento em que autoridades do governo paulista e da prefeitura de São Paulo anunciam que nenhum recurso público deve ser colocado na construção de arenas desportivas, visando a realização da Copa do Mundo e da modalidade do futebol dos Jogos Olímpicos. Segundo, como comenta o blog Transparência São Paulo, a Cidade da Música no Rio de Janeiro, polêmico equipamento cultural em construção na Barra da Tijuca, devastou a popularidade do seu idealizador (o ex-prefeito César Maia) mesmo consumindo um valor menor que o projeto paulista – cerca de R$ 550 milhões.

*com informações www.transparenciasaopaulo.blogspot.com

 

 

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.