Governo do Estado corta 54% do Orçamento do Tribunal de Justiça

03/01/2011 17:04:00

Cortes

 

Às voltas com a manutenção do corte de 54% em seu Orçamento, o Tribunal de Justiça de São Paulo começará 2011 na dependência de suplementações do Executivo para tentar resolver seus problemas mais prementes.

O primeiro e mais importante deles – consenso entre servidores, advogados e membros do próprio TJ -, é a falta de verba do Tesouro para o funcionalismo.

Neste mês, o salário foi reajustado em 4,77%, mas ainda há uma data-base vencida e outra a vencer.

Além disso, um alto magistrado do tribunal, que prefere não se identificar, afirma que a Justiça estadual convive com um elevado grau de evasão de servidores.

Muitos funcionários deixam o TJ em busca de empregos em outros órgãos que remuneram melhor os servidores, como a Justiça Federal.

Segundo ele, são comuns os casos de funcionários que prestam concurso público, recebem treinamento, e, cinco anos depois, migram para outros órgãos.

Além do problema da evasão, o deficit de funcionários da Justiça paulista se agrava com as aposentadorias – em 2010 foram mais de mil, entre 44 mil servidores – e a reposição de pessoal em velocidade inadequada.

Há também o excesso de trabalho, devido ao aumento do número de processos.

“Muitas pessoas saíram e isso não foi reposto. É prejudicial. Os processos não estão em dia”, afirma Adolfo Benedetti Neto, secretário-geral da Assojuris (associação de servidores do Judiciário paulista).

O tribunal estima que o número médio ideal de servidores por cartório seria dez, mas muitos deles trabalham com três ou quatro.

Além disso, avalia que seriam necessários 2.000 novos escreventes para que se resolvesse o problema da sobrecarga da Justiça.

fonte: Folha.com – 27/12/2010

 

 

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.