Jacu-Pêssego é entregue com passarelas provisórias e sob protesto da população

18/10/2010 14:38:00

Obra inacabada

Crédito:

 

Sob protesto de pelo menos 30 moradores desalojados por conta da obra, o governo estadual entregou, no último sábado (16/10), o trecho de 13,6 quilômetros interligando a avenida Jacu-Pêssego (zona leste de SP) ao trecho sul do Rodoanel, em Mauá (ABC).

Durante a cerimônia de entrega, em viaduto sobre a avenida João Ramalho, no Parque São Vicente, em Mauá, o grupo de moradores afetados por desapropriações se reuniu diante do palanque para reclamar sobre os baixos valores pagos como indenização. “Avaliaram a minha casa em R$ 45 mil e deram mais R$ 10 mil de ajuda de custo. O problema é que minha casa valia entre R$ 120 mil a R$ 130 mil”, afirma o vigilante Valdinei Aparecido Ferreira da Silva, 38 anos.

O governador Alberto Goldman reconhece que 117 famílias questionam o valor pago como indenização pelas desapropriações. Ele disse que o Estado não pode indenizar as famílias com valor maior do que aquele estipulado por peritos. “Quando moradores não se julgam atendidos, podem procurar a Justiça”, disse.

Complexo viário está incompleto

A inauguração da ligação da Jacu-Pessego com o Rodoanel se deu nos mesmos moldes da entrega do trecho Sul, feita pelo então governador Serra: o complexo viário está incompleto. A entrega ocorreu com ajustes a fazer, porque o trecho de 13,2 km está com passarelas provisórias e pontos em que a iluminação é provida por geradores.

“O importante é que as lâmpadas fiquem acesas. Fizemos três passarelas provisórias (de estrutura metálica), mas com condições de uso”, disse o secretário estadual de Transportes, Mauro Arce.

A avenida cortou bairros ao meio e os pedestres, agora, têm que se arriscar em travessias perigosas sob a via expressa. Apenas três passarelas não são suficientes. Neste segunda-feira (18/10), primeiro dia útil após o tráfego ser liberado, a expectativa dos moradores é que a situação fique pior.

A entrega da via deveria ter acontecido no dia 25 de setembro, e foi desmarcada pelo governo do Estado dias antes, sem esclarecer os motivos. A previsão inicial da Dersa era de que o complexo viário fosse colocado integralmente a serviço da população junto com o trecho Sul, inaugurado no início de abril.

A ideia do prolongamento da Jacu-Pêssego para o ABCD é dar vazão ao fluxo de carros que vem do trecho Sul, em especial aqueles motoristas que têm como destino a zona Leste da Capital. Sem o acesso pronto, os congestionamentos na área são constantes, e o gargalo de veículos em vias já saturadas, como avenida dos Estados e Alberto Soares, aumentou.

Mais atrasos

Assim que anunciado o projeto do trecho Sul pela Dersa, o governo do Estado informou à Prefeitura de Mauá que o conjunto de obras seria entregue ao mesmo tempo. Esse conjunto compreende tanto a extensão Jacu-Pêssego/ Papa João 23 quanto obras de porte menor, mas importantes para a cidade, como a duplicação das avenidas Alberto Soares Sampaio e Rosa Kasinski.

O binário neste local sequer começou a ser construído, embora a Secretaria de Mobilidade Urbana de Mauá tenha firmado o convênio com a Dersa ainda no primeiro semestre deste ano, e a discussão do projeto tenha começado em fevereiro de 2009.

*com informações dos jornais ABCD Maior e Folha de S. Paulo

 

 

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.