Manifestantes cobram do governador definição de política de habitação no Estado

19/04/2011 16:37:00

Sem recursos

Crédito:

 

Mobilizados desde a manhã desta terça-feira (19/4) nas proximidades do Palácio dos Bandeirantes – sede do governo paulista – centenas de ativistas dos movimentos sociais por moradias populares exigiam ser recebidos pelo governador. Porém, insensível ao diálogo com os movimentos, designou ao presidente da CDHU e secretário adjunto da secretaria de Habitação, Marcos Penido, que recebesse uma comissão dos manifestantes, que foram acompanhados pelos deputados do PT, Adriano Diogo, Luiz Claudio Marcolino e Simão Pedro.

Na reunião, os representantes dos movimentos apresentaram uma extensa lista de reivindicações, tendo em vista a ausência de uma política habitacional consistente em nosso Estado.

Os manifestantes entregaram a pauta de reivindicações a Marcos Penido, onde socilitam, entre outras, a retomada do Programa de Mutirão com Autogestão; posse imediata do Conselho Estadual das Cidades; funcionamento do Conselho e recursos para o Fundo Estadual de Habitação com participação popular; programa de cortiços e áreas centrais com os movimentos sociais; urbanização de favelas; recursos estaduais para projetos do Minha Casa Minha Vida Entidades; criação de Banco de Terras para habitação e protesto contra os despejos da Ecovias em Diadema e em decorrência das obras do Trecho Norte do Rodoanel.

O representante da UMM – União dos Movimentos por Moradia, Sidnei Antonio Pita, explicou que Marcos Penido se comprometeu em manter o diálogo aberto e sinalizou com a retomada dos programas de mutirão e gestão compartilhada. Foi acordado a formação de uma comissão e nova reunião com a CDHU será agendada nos próximos 40 dias.

Benedito Roberto Barbosa, o Dito, um dos coordenadores da Central de Movimentos Populares diz que o protesto desta terça-feira teve caráter indicativo de como o movimento deverá atuar daqui em diante. “Queremos saber a definição de política de habitação do governador”, explicou Dito.

Antes da concentração em frente ao Palácio dos Bandeirantes, uma passeata percorreu o trajeto entre a ponte Cidade Jardim (da Marginal do Pinheiros, zona sul da capital) até a entrada principal do Palácio. 

Segundo os organizadores do movimento, cerca de três mil pessoas participaram da caminhada. 

Governos tucanos investem muito pouco em habitação

Levantamento da Bancada do PT aponta que os investimentos em habitação para 2010 – somados os recursos da secretaria de Habitação e da CDHU – foram  de R$ 1,57 bilhão, ou seja,  corte de R$ 318 milhões em relação ao previsto no Orçamento, que era de R$ 1,89 bilhão.

Na CDHU, deixaram de ser entregues 9.812 moradias, das já insuficientes 43.310 previstas.

Em 2011, o governo Alckmin  também começou segurando os recursos na habitação e os investimentos diretos da secretaria sequer começaram.

Nos 100 primeiros dias da atual gestão, houve um congelamento de R$ 142 milhões (20%) dos repasses para investimentos da CDHU e mais R$ 46 milhões (10%) de investimentos diretos a serem aplicados pela secretaria de Habitação. Também houve corte de R$ 6,2 milhões para concessão de subsídios habitacionais (10%) e crédito para reforma de imóveis (R$ 1 milhão ou 20%). Os repasses para fundo de habitação de interesse social tiveram R$ 5,3 milhões congelados (20%) e o mesmo ocorreu com o fundo garantidor habitacional, com 10% dos recursos contingenciados.

 

 

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.