Manifestantes pedem CPI para corrupção tucana em SP

14/08/2013

CPI já!

Crédito: IG

Os manifestantes que caminham pelo centro da capital, nesta tarde, estão munidos de faixas e cartazes pedindo o instalação de CPI já!, para investigar o cartel da corrupção tucano.

A manifestação foi convocada pelo sindicato dos Metroviários do Estado de São Paulo e acordo com o presidente do sindicato, Altino de Melo Prazeres Júnior, a situação ideal é que exista mobilizações populares que forcem tanto Ministério Público (MP) Estadual, responsável por dezenas de ações sobre o caso, quanto a Assembleia Legislativa de São Paulo (Alesp), caso seja instalada a CPI, a investigar efetivamente os desvios.

“O problema não é a CPI. E essa assembleia domindada pelo PSDB e pelo governo onde tudo acaba em pizza. Acreditamos que só pressão popular pode levar a punição dos culpados e a devolução do dinheiro roubado. Seja com uma CPI, seja por meio do Ministério Público”, afirmou.

Ato às 17 horas, na Asssembleia

O ato convocado pela CMP-SP será às 17 horas na Assembleia Legistativa de São Paulo, no bairro do Ibirapuera, na capital.

As demais convocações ainda estão definindo roteiros de caminhadas. Muitas estão sendo agendadas para partirem do centro da cidade.

Apoio a CPI já!

Os movimentos sociais e entidades querem cobrar resposta do governo Alckmin sobre denúncias de formação de um cartel pelas empresas Siemens, Alstom, CAF, Bombardier, TTrans e Mitsui que, em troca de apoio nas licitações de obras do Metrô e da Companhia Paulista de Trens Metropolitanos (CPTM), teriam desviado recursos públicos e pago propina a políticos tucanos do PSDB em São Paulo.

Além de cobrar uma resposta do governo do Estado, os atos também darão apoio ao pedido de CPI – Comissão Parlamentar de Inquérito – para investigar as denúncias. O pedido de CPI elaborado pela Bancada da PT necessita da assinatura de 32 deputados para ser protocolado na Assembleia Legislativa. Até o momento, apenas 26 deputados assinaram a solicitação.

*com informações do Portal IG

Leia mais

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.