Marcha contra o preconceito e em defesa da diversidade racial será no sábado

18/11/2010 17:12:00

Consciência Negra

 

Parlamentares petistas vão participar da 7ª Marcha da Consciência Negra, que acontecerá no próximo sábado (20/11). Além de ser uma comemoração ao Dia da Consciência Negra, a Marcha é um protesto contra o preconceito e em defesa da igualdade de direitos e oportunidades para os afro-descendentes.

De acordo com os movimentos sociais envolvidos na sua organização, o objetivo da manifestação é “manifestar a importância de políticas que possam recompensar, reparar e distribuir o chamado crescimento econômico também entre os habitantes de origem negra, indígenas, nordestinos, ciganos, latinos, homossexuais e mulheres.”.

A Marcha e outros eventos relacionados à data fazem em 2010 uma homenagem ao Centenário da Revolta da Chibata e à luta do marinheiro João Cândido. Conhecido como Almirante Negro, graças à música “Mestre Sala dos Mares”, de João Bosco e Aldir Blanc composta nos anos 70, Cândido batiza em 2010 o maior petroleiro que o Brasil já teve. O navio com o seu nome tem 274 metros de comprimento e capacidade para transportar um milhão de barris de petróleo.

Já a trajetória do marinheiro João Cândido registra que ele foi anistiado apenas em 2008, 98 anos após ter liderado a Revolta e 39 anos depois de sua morte, pobre, sem patente militar e sem aposentadoria, punido por ter sido líder de uma revolta de marinheiros. Hoje aclamado como o primeiro herói brasileiro do século XX, o Almirante Negro foi ignorado pela História oficial de sua época.

Celebrado desde os anos 70, o dia 20 de novembro marca a resistência de Zumbi do Quilombo dos Palmares e já é feriado em 225 cidades de 11 Estados, inclusive na capital paulista. Aqui, a data foi reconhecida como feriado pela Lei 13.707, assinada pela então prefeita Marta Suplicy em 2004.

O Movimento da Consciência Negra foi fundado pelo ativista sul-africano Steve Biko, entre os anos 60 e 70, com o objetivo de desenvolver o orgulho e a auto-estima dos negros sul-africanos, que enfrentavam uma violenta política de segregação racial. O ativista foi assassinado pela Polícia do Governo da África do Sul em 1977, 13 anos antes do fim do Apartheid.

SERVIÇO: Marcha da Consciência Negra

20 de novembro, a partir das 10 da manhã,

Boulevard São João, no Largo do Paissandu

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *