Metade do esgoto do litoral segue para o mar

18/12/2009 12:42:00

Falta saneamento

Resíduos despejados em fossas também contaminam lençol freático; Sabesp cobre 53% da população da Baixada e só 35% do litoral norte

Ao menos metade do esgoto produzido nas 13 cidades do litoral paulista é despejada sem tratamento no mar e no lençol freático, com a contaminação por meio de fossas sépticas. Isso equivale a 1,5 mil litros de esgoto por segundo, o suficiente para encher em uma hora duas piscinas de 2,5 milhões de litros cada. Os serviços da Sabesp cobrem 53% da Baixada Santista e 35% do litoral norte.

Nesta semana, uma em cada três praias da Baixada Santista e do litoral norte foi considerada imprópria pela Cetesb – situação que deve ficar mais crítica nas próximas semanas, com a invasão de turistas. Cinco praias que apresentaram concentração de bactérias por causa da poluição estão em Ilhabela, local com o pior porcentual de atendimento da Sabesp. Ali, a rede de esgoto não ultrapassa os 4% de cobertura.

A maioria das casas recolhe o esgoto em fossas sépticas, pouco seguras para terrenos arenosos como os do litoral, em que as águas subterrâneas facilmente se deslocam entre os reservatórios contaminados e o mar. “Essa é uma solução que pode funcionar em áreas adensadas e com manutenção rigorosa”, diz o presidente executivo do Instituto Trata Brasil, Raul Pinho. “Mas sabemos que não é a situação do litoral. Mesmo o que está na fossa acaba no mar.”

Até o ano que vem, a Sabesp deve ampliar a coleta de esgoto na cidade para 36%. “E tudo que for coletado será tratado”, diz José Bosco de Castro, superintendente da companhia no litoral norte. A empresa diz que está investindo na ampliação do sistema no litoral norte já para a próxima temporada. Até 2015, a cobertura chegará a 85%.

Com o programa Onda Limpa, iniciado em 2007 na Baixada Santista, a Sabesp afirma investir R$ 1,5 bilhão na ampliação da rede de esgoto das 13 cidades do litoral paulista. A maior parte do investimento (R$ 1,2 bilhão) é destinada à Baixada, onde em janeiro serão inauguradas sete estações de tratamento de esgoto. De Bertioga a Peruíbe, a cobertura da Sabesp deve alcançar 95% quando o programa for concluído. Nas quatro cidades do litoral norte foram investidos R$ 300 milhões.

Sabesp tem 2 agentes para visitas

No litoral norte, a Sabesp deixa de coletar cerca de 977 mil litros de esgoto diariamente em áreas que já poderiam estar ligados à rede. Dois funcionários da companhia são responsáveis por conscientizar e convencer a população a coletar os resíduos. Mas eles nem sempre conseguem. O último levantamento da Sabesp indica a existência de 4.885 “ligações factíveis”, nome para os imóveis que não se conectam ao sistema.

Três fatores levam à recusa. O primeiro seria financeiro, porque com a coleta o valor da conta da água passa a ser o dobro do que costumava ser cobrado. Depois vem o transtorno, em alguns casos, de ter de providenciar uma reforma. E, por fim, a dificuldade para achar veranistas e negociar a ligação.

fonte: Jornal da Tarde – 18/12/2009

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.