Metrô no Jardim Ângela, já!

29/08/2013

Audiência pública

A extensão da Linha 5 Lilás do Metrô, que ligaria Capão Redondo ao Jd. ângela, e Linha 9 Esmeralda da CPTM, que prolongaria o percurso até Parelheiros, foi tema de audiência pública que aconteceu na Assembleia Legislativa, nesta quarta-feira (28/8), presidida pelo líder da Bancada do PT, deputado Luiz Claudio Marcolino.

Um vídeo sobre as dificuldades da região e a luta que é travada em prol da melhoria do transporte na zona sul, principalmente nos arredores de M”Boi Mirim, foi apresentado aos cerca de 300 participantes da audiência. Após o vídeo, Marcolino relatou diversos problemas na região, como a superlotação da estação de Capão Redondo do Metrô.

O deputado Enio Tatto reforçou a necessidade de priorizar o transporte público. Já o deputado Carlos Neder lembrou o quanto a região é “esquecida” e aproveitou para pedir a construção do hospital de Parelheiros.

Ana Odila, que representou o secretário municipal de Transportes Jilmar Tatto, apresentou planos e projetos para o transporte da cidade. “São Paulo é uma das poucas cidades do mundo cujo sistema de transporte é dependente, quase exclusivamente, do ônibus. Sabemos a importância do Metrô para a cidade.”

Adailson de Oliveira, subprefeito de Parelheiros, zona sul da capital paulista, afirmou que “a importância da extensão é levar um transporte digno para a população local” e que Parelheiros cresce muito e sofre invasões em áreas de preservação ambiental. Contou que há projetos que tramitam para a retirada da população dessas áreas protegidas. Informou que Parelheiros recebeu da gestão municipal a confirmação da construção de um dos maiores terminais de São Paulo, mas lamentou a falta de corredores de ônibus na região.

Elineide Quinto, moradora do Jd. Ângela há 40 anos, afirmou que é grande a necessidade da extensão do Metrô ao bairro, pois a população que reside na região trabalha nos centros urbanos. Falou que o serviço de ônibus melhorou, porém, ainda não oferece rapidez aos moradores. “Já não há onde colocar ônibus, então a solução é colocar trilhos.” Contou que caso ela tenha que chegar 8h no bairro do Morumbi, precisa sair de casa às 5h30. Lembrou do transtorno em obras de construção da estação do Metrô Largo Treze, sugerindo que as obras não fossem feitas subterraneamente.

Também participou do debate o deputado Adriano Diogo.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *