Moradores pagam conta por água não recebida da Sabesp

17/09/2014

Má gestão tucana

Mesmo estando em área regularizada, abastecimento ainda é feito por uma mangueira no poste, mas a conta com tarifa de R$ 11,40 chega mensalmente

Um vez por mês, o técnico com o aparelho para medir o consumo de água das 5,4 mil famílias que moram em casas regularizadas no Jardim Vera Cruz, na zona Sul da capital, bate no portão dos moradores. Os relógios foram instalados há cerca de três anos, mas, segundo os moradores, o abastecimento ainda é feito da mesma maneira de antes: por uma mangueira no poste.

Mesmo assim, todos os meses a tarifa de R$ 11,40, referente à água e ao esgoto é paga. A Sabesp alega que o imóvel está na área regularizada, portanto “há emissão de conta pelos serviços prestados”. A moradora Marcia Regina da Silva, disse à reportagem do Diário de S. Paulo, que acorda às 3 horas para ligar a bomba de sucção da mangueira para encher os tambores da casa.

Nos locais em que a água não chega por canos em postes, a situação é ainda mais crítica. Na maior crise hídrica da história, um riacho de água limpa, pronta para consumo, se forma no meio fio das ruas, embaixo das mangueiras, que abastecem 7 mil pessoas.

*com informações do Diário de S. Paulo

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *