Movimentos Populares se mobilizam por Constituinte Exclusiva e Reforma Política

30/05/2014

Neste sábado

Pautada pela realização do Plebiscito Popular por uma Constituinte Exclusiva para reforma do sistema político a Central de Movimentos Populares, entidade integrante do comitê que organiza o plebiscito, realizará no sábado, dia 31 de Maio, a partir das 9 horas, no centro da capital paulista, Ato Público com a participação de integrantes de diversos movimentos populares.

A atividade faz parte do calendário de mobilizações que buscam intensificar canais de participação popular na defesa de políticas públicas e de mudanças estruturais no sistema político brasileiro, como o veto ao financiamento privado das eleições.

Na avaliação dos organizadores, a Constituinte Exclusiva possibilitará avanços políticos e sociais tais como: maior agilidade nas reformas agrária e urbana, aperfeiçoamentos nas políticas públicas nas áreas da saúde, educação, transportes, mobilidade urbana e efetiva representação das mulheres, negros e juventude nas instâncias políticas do país.

Segundo os integrantes da Central dos Movimentos Populares, o Plebiscito Popular por uma Constituinte Exclusiva e Soberana, previsto para acontecer de 01 de 07 de Setembro, – a meta é colher milhares de votos pelo fim do financiamento privado das campanhas, e fomentar conferências e conselhos deliberativos, pelo avanço da democracia representativa. “Esses são instrumentos indispensáveis para alcançarmos as políticas públicas rumo a uma sociedade mais justa e soberana e impedir a influência dos grupos privados no processo eleitoral.,” defende Raimundo Bonfim, líder da CMP.

O Ato Público terá concentração no Teatro Municipal, em seguida caminhada até a Praça da Sé, no dia 31 de maio, a partir das 9 horas.

Também haverá no mesmo dia, atividades de panfletagens, debates e agito nas cidades de Diadema, Santos, Santo André, Bertioga, Praia Grande, Itanhaem, Cubatão e Bertioga.

DIA NACIONAL DE LUTA POR POLÍTICAS PÚBLICAS COM PARTICIPAÇÃO POPULAR – POR UMA CONSTITUINTE EXCLUSIVA E SOBERANA.

A CMP – Central de Movimentos Populares sempre defendeu mudanças estruturais em nosso país e é inegável que as manifestações populares de ruas em junho e julho de 2013 deram um novo impulso nessa direção, pois mesmo com a manipulação da direita por intermédio dos meios de comunicação, as manifestações mostraram um profundo repúdio ao atual sistema político e as formas tradicionais de representação e de participação popular.

As mobilizações também traduziram o desejo de maior participação popular nas decisões sobre políticas públicas e no destino do Brasil, mas como não tinham uma plataforma objetiva e uma direção política, não alcançaram mudanças estruturais.

Em setembro de 2013 a direita, o sistema capitalista e infelizmente alguns setores da própria esquerda implodiram a proposta da presidenta Dilma de convocação de uma Assembleia Nacional Constituinte Exclusiva para reformar o sistema político, várias organizações populares, dentre as quais, a CMP, forças sociais progressivas e de esquerda, decidiram organizar um Plebiscito Popular por uma Constituinte Exclusiva Soberana do Sistema Político, como importante passo na luta que travamos há anos por mudanças profundas e estruturais.

Neste ano que completamos 50 anos do golpe militar e civil, é inegável que o Brasil ainda sofra com um sistema político resultante das práticas das velhas oligarquias e dos tempos sombrios da ditadura e que, quase sempre, os interesses privados prevalecem sobre os coletivos e públicos.

Precisamos nos livrar das amarras e do totalitarismo do poder econômico sobre as políticas públicas e sobre o sistema eleitoral brasileiro, no qual os grupos econômicos escolhem e financiam as eleições, ou seja, escolhem os “representantes” do povo.

Os atuais canais de participação popular não têm sido suficientes para garantir a participação do povo brasileiro e da sociedade organizada de forma efetiva, pois persiste a concentração da riqueza, da propriedade da terra urbana e rural, e ausência de políticas públicas de um modo geral.

Este processo de concentração de terra, riqueza e poder, criou no Brasil uma elite perversa, egoísta e preconceituosa, que não aceita de forma alguma abrir mão de privilégios. Criou também dois “Brasis”; um dos ricos e privilegiados e outro dos pobres e excluídos. Esta elite controla o aparelho do Estado, controla o legislativo, o judiciário e os meios de comunicação.

Vamos defender na Constituinte Exclusiva a agilidade das iniciativas legislativas de origem popular, o caráter deliberativo das conferências e conselhos. Além disso, devemos atuar para o efetivo avanço das reformas agrária e urbana, das políticas públicas de saúde, educação, transporte e mobilidade urbana e pela superação da sub-representação das mulheres, negros (as) e juventude.

Por todas essas razões, a Central de Movimentos Populares, vem às ruas, hoje, no Dia Nacional de Luta em Defesa das Políticas Públicas com Participação Popular, conclamar os movimentos populares e os trabalhadores a se unirem e se engajarem no PLEBISCITO POPULAR POR UMA CONSTITUINTE EXCLUSIVA E SOBERANA, de 01 a 07 de setembro próximo. Vamos colher milhões de votos pelo fim do financiamento privado das campanhas, por conferências e conselhos deliberativos e pelo avanço da democracia direta e participativa, instrumentos indispensáveis para alcançarmos as políticas públicas rumo a uma sociedade socialista.

31 de maio de 2014

Central de Movimentos Populares

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *