MP move ação penal contra Paulo Preto, denunciado pela Bancada do PT

17/05/2016

Investigação

O Ministério Público Estadual (MPE) moveu uma ação penal na Justiça contra o ex-diretor de engenharia da Desenvolvimento Rodoviário S/A (Dersa), Paulo Vieira de Souza, o Paulo Preto, acusado de fraudar o processo de reassentamento de pessoas atingidas pelo Trecho Sul do Rodoanel para beneficiar três babás, duas empregadas domésticas e um funcionário que trabalhavam para sua família com a entrega de apartamentos da Companhia de Desenvolvimento Habitacional e Urbano (CDHU). O prejuízo causado foi de R$ 374,9 mil, segundo a Promotoria.

Nenhum dos seis beneficiários, de acordo com o MPE, morava em área atingida pelo traçado do Rodoanel Sul.

A denúncia inclui ainda Tatiana Arana de Souza Cremonini, uma das filhas de Paulo Preto, que teria orientado uma babá de seu filho a visitar uma unidade da CDHU em Mauá, na Grande São Paulo, que seria doada a ela. Os apartamentos valiam à época R$ 62,2 mil cada. Além disso, cada beneficiário recebeu uma ajuda de R$ 300 para mudança.

De acordo com o MPE, a babá confirmou a fraude em delação premiada ainda não homologada pela Justiça e disse que fez a inclusão a mando de Paulo Preto, diretor responsável pela obra.

Bancada do PT denuncia Paulo Preto desde 2009

A Bancada do PT na Assembleia Legislativa já havia denunciado Paulo Preto, inclusive por meio de duas representações protocoladas no Ministério Público estadual, por tráfico de influência, desvio de dinheiro público e improbidade administrativa.

Em 2009, os deputados petistas pediam investigação sobre o envolvimento de Paulo Preto com a Operação Castelo de Areia, deflagrada pela Polícia Federal.

Já em 2010, o que motivou a representação foram notícias veiculadas pela imprensa de que Paulo Preto teria “arrecadado’ de empresas responsáveis pelas principais obras viárias do Estado, como o Rodoanel, a Nova Marginal e a extensão da Avenida Jacu-Pêssego, cerca da R$ 4 milhões para a campanha eleitoral tucana. À época José Serra era o governador, mas havia se afastado para candidatar-se à presidência da república. O mais curioso é que Paulo Preto sumiu com esse dinheiro e foi acusado pelo próprio PSDB.

Fernanda Fiot

Leia mais

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.