Obras provocarão desemprego e PT quer ouvir secretário dos transporte

24/04/2008 12:24:00

Metrô Santo Amaro

Crédito:

 

As obras do Metrô Santo Amaro, Linha Lilás, provocaram protesto de cerca de 200 comerciantes, em 23/4, contra a desapropriação de 147 imóveis, em Santo Amaro, na região do Largo 13, na Avenida Adolfo Pinheiro.   

Segundo a Associação dos Lojistas e Trabalhadores, cerca de 10 mil pessoas poderão perder seus empregos. No entanto, o diretor de assuntos corporativos da Companhia do Metropolitano, Sérgio Avelleda, afirmou que “não há nenhuma chance de modificação do projeto da estação”.

O Metrô quer concluir as desapropriações em seis meses e gastará R$ 90 milhões com indenizações. Os moradores e comerciantes da região sugeriram algumas alterações no projeto que alcançaria uma área pública e poderia reduzir os gastos do dinheiro público com indenizações.        

Outra observação feita pelos comerciantes é a descaracterização do bairro e destacaram que galeria Borba Gato, um dos símbolos da capital paulista, sofre ameaça de ser demolida pelas obras. Após as manifestações, a população deliberou pela constituição de uma Comissão para abrir canal de diálogo e negociação com a direção do Metrô.

O deputado do PT Enio Tatto, líder das minorias na Assembléia Legislativa, acompanhou o protesto da população e assumiu o compromisso de viabilizar uma Audiência Pública no Legislativo paulista.

Enio Tatto já protocolou na Comissão de Transporte e Comunicação da Assembléia, um requerimento para a realização de Audiência Pública com a presença do Secretário Estadual dos Transportes Metropolitano e presidente do Metrô, José Luiz Portella Pereira.

Os transtornos econômicos sociais provocados pelo traçado da estação do Metrô foram os argumentos apontados pelo deputado no documento, que não chegou a ser votado por falta de quórum.                   

              

 

 

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.