Oposição quer CPI para investigar conexão do esquema Arruda com São Paulo

09/01/2010 08:28:00

Investigação

O deputado estadual Simão Pedro está coletando assinaturas entre os parlamentares da casa para a instauração de uma CPI (Comissão Parlamentar de Inquérito) para investigar as conexões entre as empresas envolvidas no Mensalão do DEM em Brasília e as suas conexões com o Governo José Serra.

 

Durante a sessão da Assembleia Legislativa do dia 16 de dezembro/2009, que discutiu as emendas parlamentares ao Orçamento do Estado para 2010, 20 parlamentares assinaram o pedido de abertura da CPI. Para que o procedimento seja instaurado são necessárias 32 adesões. A lista volta a circular hoje na tentativa de obter novas assinaturas.

As reportagens veiculadas pela revista Carta Capital nas edições dos dias 5 e 12 de dezembro e pelo Jornal da Tarde demonstram claramente uma conexão entre as fraudes já denunciadas na contratação de empresas pelo Governo do Distrito Federal e as mesmas empresas contratadas pelo Governo do Estado de São Paulo.

A matéria do JT, inclusive mostra que parte dessas empresas envolvidas na operação Caixa de Pandora também estão envolvidas na denominada Máfia dos Parasitas, que lesionou os cofres públicos do Estado.

No inquérito inquérito da polícia, a Uni Repro aparecew como uma das 11 empresas que teriam participado do esquema que gerou rombo de R$ 100 milhões nos cofres públicos com fraudes em licitações, superfaturamento de preços e entrega de produtos de má qualidade. Além do governo paulista, o grupo atuava na Prefietura de São Paulo e de outras 29 cidades do interior, no Rio de Janeiro, Minas Gerais e Goiás.

Ademais, chama a atenbção que em várias denúncias apareça a figura do senhor Ailton de Lima Ribeiro, que já foi integrante do Governo Serra, sendo funcionário de sua pasta na sua passagem pelo Ministério da Saúde, bem como nomeado por ele para Secrtário Municipal de Abastecimento, e Secretário Adjunto de Saúde, quando Prefeito da Capital.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *