Paulo Preto escondeu dinheiro “nas meias” e sofre novo pedido de investigação

20/10/2010 15:28:00

Tucanagem

 

O ex-diretor de engenharia da Dersa, Paulo Vieira de Souza, o Paulo Preto, acusado de tráfico de influência, desvio de dinheiro público e improbidade administrativa, e que é objeto de representação da Bancada do PT ao Ministério Público para que seja instaurado inquérito civil público para apurar estas irregularidades, também deverá ser investigado pela Procuradoria Geral da República, por solicitação dos deputados federais do PT, Cândido Vaccarezza e Fernando Ferro, que protocolaram representação nesta terça-feira (19/10).

Na representação, os parlamentares pedem a indisponibilidade dos bens do ex-governador José Serra e do engenheiro, caso se confirme o enriquecimento ilícito de ambos. O pedido de investigação tem como base sobre irregularidades em obras como a do Rodoanel, de responsabilidade da Dersa.

Dinheiro escondido “nas meias”

Quase quatro meses após a prisão em flagrante de Paulo Viera de Souza, conhecido como Paulo Preto, o BO (Boletim de Ocorrência) da ação da Polícia Militar na prisão do ex-diretor da Dersa com uma jóia roubada foi obtido pelo jornal ABCD MAIOR. Com Paulo Preto, além da jóia, a revista policial encontrou mais de R$ 11 mil. O ex-assessor de Serra foi preso no dia 12 de junho deste ano, na joalheria Gucci, dentro do shopping Iguatemi, na Capital paulista.

Preso, Paulo Preto foi encaminhado ao 15° DP, no Itaim Bibi. Testemunha ocasional da prisão, Celso Russomanno – deputado federal, garante que Paulo Preto “portava dinheiro nas meias”.

“Eu vi a prisão. Vi que a delegada estava sofrendo pressão para não mantê-lo preso. Parte do dinheiro apreendido com Paulo Preto estava em suas meias e no casaco, me apontaram os policiais”. O progressista afirma que encontrou Paulo Preto no DP por acaso.

“Pelo destino, acabei conduzindo um segurança particular de um condomínio que estava determinando quem podia e não podia estacionar em um espaço público. Quando cheguei ao 15° DP acompanhei a prisão de Paulo Preto”, relembra.

A reportagem procurou o advogado de Paulo Preto, José Luiz de Oliveira Lima, para explicar a prisão e a apreensão do dinheiro. “Já falei tudo sobre isso”, se limitou a dizer Lima.

Jóia era roubada

De acordo com o relatado pelo BO assinado pela delegada Nilze Baptista Scapulatiello, Paulo Preto alegou, no momento da prisão, que teria comprado o bracelete do comerciante Musab Asmi Fatayer – que também foi preso em flagrante – por R$ 20 mil. Musab, por sua vez, afirmou que comprou a jóia de “um desconhecido em seu escritório”. O bracelete incrustado de brilhantes havia sido roubado um mês antes da mesma joalheria onde Paulo Preto recebeu voz de prisão pela prática de receptação.

Aloysio Nunes confessa ser amigo pessoal de Paulo Preto

O tucano Aloysio Nunes, eleito senador por São Paulo no último dia 3, confessou que é amigo pessoal de Paulo Vieira de Souza, o Paulo Preto, durante participação no programa Roda-Viva, da TV Cultura, na noite desta segunda-feira (18/10). Tamanha a aproximação, que ele revelou ter pego emprestado R$ 300 mil da filha de Paulo. Acusado de arrecadar e se apropriar de R$ 4 milhões doados à campanha do candidato à presidência José Serra (PSDB), Paulo Preto é chamado de o “homem-bomba do PSDB”. Apesar da amizade, Aloysio disse que não põe “a mão no fogo por ele”.

Durante o Roda-Viva, Aloysio afirmou que as famílias dele e de Paulo são amigas há mais de 20 anos. Ele negou que o ex-diretor tenha ficado com dinheiro da campanha de Serra, mas disse que não “põe a mão no fogo por ele”. “Não ponho a mão no fogo nem pelos meus filhos”, acrescentou.

Segundo o tucano, a saída de Paulo da Dersa se deu por divergências com o atual governador, Alberto Goldman. Paulo foi demitido em abril, dias após a inauguração do Trecho Sul do Rodoanel e a saída de Serra do governo do Estado. Aloysio disse que recebeu empréstimo de R$ 300 mil da filha de Souza para comprar um apartamento e que o valor foi devolvido.

*com informações dos jornais ABCD Maior e O Estado de São Paulo

 

 

 

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.