Petista questiona Metrô sobre panes na Linha 3

13/02/2014

Requerimento

O 1º secretário da Assembleia Legislativa, deputado Enio Tatto, encaminhou Requerimento de Informação ao presidente do Metrô, Luiz Antonio Carvalho Pacheco, para que explique as constantes panes e falhas na Linha 3 – Vermelha. “Várias são as reclamações referentes ao serviço prestado pela Companhia do Metropolitano de São Paulo (Metrô), como por exemplo, as panes que ocorrem principalmente em horário de pico”, justifica o deputado.

Enio Tatto questiona o presidente do Metrô a respeito da idade média dos trens utilizados na Linha 3 – Vermelha; sobre os critérios de manutenção dos trens que circulam nessa linha; sobre os caminhos/ critérios para a solução de problemas causados por alguma falha no sistema ou em algum dos trens, e, ainda, pergunta se existe algum estudo ou projeto para que o reestabelecimento do serviço após panes não afete a população, conforme vem ocorrendo cotidianamente.

Indaga também sobre as possibilidades de panes deixarem de ocorrer ou de terem sua frequência reduzida; sobre a periodicidade com que são feitas vistorias e manutenções nos trens que estão circulando na linha 3 – Vermelha e, por fim, qual é a opção/ alternativa do cidadão que, em caso de pane, fica sem o transporte ou pior, fica “preso” dentro de um dos trens, seja por corte de energia, seja por qualquer outro motivo.

O deputado comenta que enviou o Requerimento de Informação à presidência do Metrô “em nome de cidadãos que vivenciam panes, falhas, problemas na Linha 3 – Vermelha frequentemente, e em muitos casos, sem a devida informação para os usuários”. Acrescenta que “a frequência destes problemas afeta completamente a vida dos cidadãos, em geral trabalhadores da cidade de São Paulo, que dependem desse meio de transporte”.

Para Enio Tatto, “percebe-se que grande parte dos trens são antigos e mal conservados ou sucateados, colocando em risco seus usuários”.
Ainda de acordo com o deputado, “as questões mais importantes a serem discutidas e resolvidas são a da eficiência que o serviço deve ter e a dos meios para se atingir a finalidade para o qual foi criado” e que “as ações dos cidadãos são, nada mais, nada menos, que consequências da ineficiência e da regularidade dos problemas registrados”.

fonte: Ass. Imprensa – dep. Enio Tatto

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.