PMs sofrem cortes de pagamento

05/12/2012

Em meio à alta da violência

Em meio à alta da violência em SP, PMs sofrem cortes de pagamento

Em meio à onda de violência e mortes de PMs no Estado de São Paulo, o governo Geraldo Alckmin (PSDB), amparado por decisão liminar, está pagando até R$ 1.300 a menos nos contracheques para policiais militares desde novembro. A variação ocorre de acordo com a patente.

Entidades que representam a categoria tentam reverter o corte nos pagamentos referentes a ganhos por tempo de serviço obtidos judicialmente e que já vinham sendo pagos havia dois anos. Governo de SP afirma que paga seus servidores conforme a legislação Segundo a Associação de Cabos e Soldados do Estado de São Paulo, o corte atingiu cerca de 92 mil policiais que recebiam o benefício –SP tem cerca de 147 mil homens. O impacto varia de R$ 80 para um soldado com cinco anos de corporação, por exemplo, até R$ 1.300 no caso de oficiais graduados, como coronéis com mais de 20 anos de serviço na PM, disse o presidente da associação, cabo Wilson Morais.

Reportagem do jornal Folha de S. Paulo teve acesso ao contracheque de um cabo da PM que sofreu diminuição de R$ 592 nos vencimentos de novembro, ante o total de pagamentos de outubro. Esse dinheiro já fazia parte do orçamento do policial. Muitos financiaram a reforma da casa, compraram um carro a prestação e agora ficaram com dívida no banco. Morais afirmou que a associação tem se posicionado contra movimentos que sugerem greve dos PMs. DIÁLOGO Segundo ele, o novo secretário de Estado da Segurança Pública, Fernando Grella Vieira, tem dialogado com a categoria e até intermediou uma reunião entre a representação dos PMs e Alckmin.

O encontrou inicialmente está marcado para esta quarta-feira (5/12), de acordo com Morais. A disputa sobre os valores suspensos agora teve início em 2008, quando a representação dos cabos e soldados e a Associação dos Oficiais da Reserva pediram uma revisão alta de 5% a cada cinco anos. Em segunda instância, o Judiciário deu ganho de causa às entidades em 2010 e determinou pagamento do novo cálculo e de atrasados. No STF (Supremo Tribunal Federal), o Estado conseguiu suspender o pagamento alegando que o benefício gera impacto de R$ 1,5 bilhão aos cofres paulistas. As associações contestam o dado. Já morreram em São Paulo neste ano cem policiais militares. A violência cresceu no Estado e, em Ribeirão, o número total de homicídios (67) é o maior desde 2003.

fonte: Folha de S. Paulo

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.