Polícia: solução dos tucanos para acabar com greve na USP

25/07/2014

Educação em SP

A reitoria da USP conseguiu uma liminar da Justiça que permite o uso da PM para reprimir grevistas e evitar piquetes

Em greve há quase dois meses, professores, alunos e servidores da Universidade de São Paulo (USP) foram surpreendidos na manhã desta sexta-feira (25/7) por um comunicado da reitoria que fala sobre uma decisão judicial autorizando o uso da força policial para reprimir a greve e os piquetes dos funcionários.

Seguindo a mesma postura do ex-reitor João Grandino Rodas, seu sucessor, Marco Antonio Zago, recorreu à Justiça e pediu autorização para usar a Polícia Militar no interior do campus. O magistrado da 11ª Vara de Fazenda Pública da capital, Kenichi Koyama, aceitou o pedido, alegando que, embora seja assegurado o direito de greve, “manifestações violentas, independentemente das razões dos trabalhadores, aniquilando o direito de ir e vir, realizando piquetes e ameaças” não serão permitidas.

Servidores e professores da USP, Unicamp e Unesp cruzaram os braços em maio por conta do congelamento de seus salários, decorrente da crise financeira das instituições e receberam o apoio dos alunos, que também se manifestam contra a atitude dos reitores.

fonte: site Spressosp

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.