Prefeitos do Alto Tietê cobram obras de emergência

03/03/2015

Crise da água

Crédito:

Prefeitos do Alto Tietê cobram obras de emergência do governo estadual

Prefeitos que integram o Consórcio de Desenvolvimento dos Municípios do Alto Tietê (Condemat) cobraram mais clareza do governo estadual sobre a crise no abastecimento de água e pediram a conclusão de obras emergenciais para reverter a seca na região, em reunião desta segunda-feira (2/3) com representantes do governo Alckmin.

O sistema Alto Tietê está com 18,9% de armazenamento, recuperando parte do nível de sua reserva graças às chuvas do mês passado, mas a situação deve se agravar no futuro, já que uma pesquisa divulgada durante a reunião indica que março, abril e maio serão meses de seca.

O secretário de Recursos Hídricos, Benedito Braga, apresentou projeto de quatro obras emergenciais para o abastecimento do sistema Alto Tietê que deve corresponder a um incremento de 9 m³/s nos reservatórios, volume que permite suprir a demanda de cerca de 3 milhões de pessoas.

Serão realizadas transferências de água do ribeirão Guaraúba para a barragem de Ponte Nova, em Salesópolis; do rio Guaió e do Rio Grande para a represa de Taiaçupeba, em Suzano; além da utilização do rio Itatinga, que desemboca diretamente no mar.

“Vamos nos esforçar para que essas obras emergenciais cheguem a tempo, e a contento, e elas vão chegar para que a gente possa ter uma condição de passar esse período seco”, afirmou o superintendente do Departamento de Águas e Energia Elétrica (DAEE), Ricardo Borsari.

“Os municípios não têm uma gerência sobre as águas, mas têm responsabilidade, porque a resultante dessa crise acontece nas torneiras da minha cidade, e é isso que nós precisamos fazer, com que seja mínimo o desconforto para a população”, cobrou o presidente do Condemat e prefeito de Mogi das Cruzes, Marco Bertaiolli.

fonte: Rede Brasil Atual

Leia mais

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.