Presidente da Comissão de Saúde alerta sobre mortes no Guarujá e epidemia na Baixada

02/03/2010 18:51:00

Dengue

 

 

O presidente da Comissão de Saúde e Higiene da Assembleia Legislativa fez um alerta sobre o aumento do número de óbitos no Guarujá e a incidência de dengue na Baixada Santista. Nos últimos 26 dias, 83 pessoas morreram de causa indeterminada em hospitais e Casas de Saúde de Guarujá, quase o dobro do número de óbitos que é normalmente registrado nesta época.

A Polícia Civil instaurou inquérito para apurar estes casos. Para o deputado Fausto Figueira, “pode haver alguma relação com a dengue do tipo 2, que é mais agressiva”.

O deputado petista coordenou nesta terça-feira (02/03) reunião da Comissão com representantes da Secretaria Estadual de Saúde, que vieram à Assembleia apresentar as medidas de prevenção adotadas contra a dengue e as gripes provocadas pelos vírus Influenza e H1N1 (suína).

A coordenadora do Departamento de Controle de Doenças do Centro de Vigilância Epidemiológica da Secretaria, Clélia Aranda, divulgou o calendário de vacinação contra a gripe e informou que 415 municípios paulistas tiveram registros da doença, com ocorrência significativa de síndrome respiratória aguda grave.

Dengue

Em relação à dengue, o deputado Fausto Figueira, que acompanha especialmente os casos na Baixada Santista, alertou: “Há o temor de um colapso no atendimento de saúde, onde já faltam leitos para atender todos os pacientes.”.

Figueira destacou outro dado preocupante em relação à Baixada: quase toda a população santista teve um tipo de dengue na última década, o que aumenta a possibilidade de dengue hemorrágica, em caso de reincidência da doença. O deputado destacou a importância da eliminação dos focos do mosquito, os chamados ‘vetores da doença’.

Para Affonso Viviani Júnior, da Sucen (Superintendência de Controle de Endemias), “a alta rotatividade dos agentes de fiscalização da Secretaria da Saúde, que têm contratos temporários de trabalho, prejudica o trabalho de prevenção à dengue”.

O superintendente da Sucen, órgão responsável pelo Comitê Especial de Combate à Dengue, destacou a importância de ações contínuas e diárias, como visitas dos agentes de Saúde às residências, como forma de combate efetivo à doença. Já a diretora do Instituto Adolfo Lutz, Marta Lopes Salomão, apresentou um relato sobre as pesquisas e novas tecnologias em exames para diagnóstico das enfermidades.

 

 

 

 

 

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.