Professores e trabalhadores da saúde fazem assembleia nesta sexta-feira

09/05/2013

Greve

Em greve há 18 dias os professores da rede estadual de ensino realizam uma nova assembleia geral, nesta sexta-feira (10/5), às 14h, para decidir pelo futuro da greve.

Segundo Maria Izabel, presidente da Apeoesp, o último encontro para negociações, com o governo, foi há oito dias e desde então o sindicato não foi mais procurado. “As notícias que temos vêm da imprensa. As negociações não estão avançando”, afirmou a dirigente. Essa foi a 3º vez que os professores paralisaram a avenida Paulista para protestar.

Os professores reivindicam um aumento salarial de 36,74%. O número vai contra a proposta de 8,1%, enviada pelo governador Geraldo Alckmin (PSDB).

Os docentes também querem a implementação da lei do piso, que prevê que 33% da jornada de trabalho dos professores seja realizada fora da sala de aula, além de uma solução para a situação precária da chamada categoria “O”. No que diz respeito à forma de contratação, direitos e condições de trabalho, o fim da remoção ex-ofício nas escolas de tempo integral e o pagamento da GPDI a todos os professores que optarem pela jornada integral.

Greve na Saúde: assembleia geral

Os trabalhadores estaduais da Saúde de São Paulo, em greve desde 1º de maio, realizarão assembleia geral nesta sexta-feira, 10/5, às 10 horas, na Quadra dos Bancários de São Paulo, para avaliar a mobilização e deliberar novas ações para ampliar a greve em todo o Estado.

A data-base para reajuste salarial dos trabalhadores da saúde é 1º de março. O SindSaúde-SP, representante da categoria, vem tentando negociar com o governo do estado. Desde janeiro, já aconteceram diversas reuniões nas secretarias da Saúde e de Gestão Pública. Até o momento nenhuma proposta concreta foi apresentada.

A greve foi deliberada pelos trabalhadores em assembleia no dia 19 de abril. Nas unidades, os trabalhadores estão denunciando o descaso do governo do Estado com a saúde em carta aberta à população. Também buscam o apoio de parlamentares, entidades e movimentos ligados à saúde.

Pauta de reivindicações:
. Reposição de perdas salariais de 32,2%
. Vale refeição de R$ 26,22
. Prêmio de Incentivo igual para todos e transparência no uso da verba FUNDES

fonte: Sindicatos das categorias

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.