PT quer um projeto de segurança para o Estado

23/05/2006 17:50:00

Crédito:

Dep.Italo Cardoso
Presidente da Comissão de Direitos Humanos da Alesp

Ao considerar “espetáculo” uma audiência pública, organizada pelos presidentes das Comissões de Direitos Humanos da Câmara Federal, da Assembléia Legislativa do Estado de São Paulo e da Câmara Municipal de São Paulo, a liderança do PSDB demonstra uma total falta de respeito com organismos, entidades, e dezenas de cidadãos e cidadãs com trajetória e compromisso inegáveis com a defesa dos direitos humanos.

Convém lembrar que nesta Audiência Pública estiveram representados: Ministério Público Federal, Conselho Nacional de Política Criminal e Penitenciária, Ministério Público Estadual, Defensoria Pública, Associação dos Juízes pela Democracia, Ouvidoria das Polícias, Pastoral Carcerária, Ação dos Cristãos pela Abolição da Tortura, Comissão Teotônio Vilella, Grupo Tortura Nunca Mais SP, Instituto Sou da Paz, Instituto Brasileiro de Ciências Criminais/IBCCRIM, Associação Paulista de Defensores Públicos, Centro de Defesa dos Direitos da Criança e do Adolescente Padre Ezequiel Ramin, Ação dos Cristãos pela Abolição da Tortura, Conectas Direitos Humanos, Instituto São Paulo Contra a Violência, Centro de Direitos Humanos de Sapopemba, além de cidadãos e cidadãs sem vinculação com qualquer entidade ou partido político, que vieram manifestar sua solidariedade às vítimas, policiais e civis; e que exigiram a divulgação dos nomes dos mortos e dos laudos feitos pelo Instituto Médico Legal de São Paulo, já que existem denúncias sobre pessoas que teriam sido executadas e não mortas em confronto com as forças policiais.

É lamentável que em vez de contribuir para que tais fatos sejam elucidados, a liderança do PSDB na Assembléia Legislativa procure caracterizar como uso político o que é um direito da sociedade civil!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.