PT requer sindicância para apurar ação da Tropa de Choque na Assembleia

15/08/2013

Ação parlamentar

As cenas de violência contra os deputados e as pessoas que tentaram acompanhar a sessão plenária de quarta-feira(14/08) foram projetadas no painel do Parlamento pelos petistas nesta quinta-feira (15/8). Os parlamentares do PT cobraram do presidente da Assembleia Legislativa e da base governista a autonomia do Poder Legislativo.

Além das manifestações de repúdio à violência policial, o PT protocolou junto à Mesa Diretora a exigência da abertura de um inquérito para esclarecer a autoria do comando de sitiar, barrar o acesso da população e identificar quem autorizou a Tropa de Choque entrar na Assembleia Legislativa.

Além das ações de truculência da polícia, o líder da Bancada, Luiz Claudio Marcolino, informou que o PT vai requerer a realização de investigação para esclarecer a distinção feita pela Assembleia entre os “convidados a assistir a sessão da discussão da PEC 01 e os cidadãos que vieram participar dos protestos contra a corrupção tucana no Metrô e na CPTM”.

Governador Alckmin vigia petistas

Outro assunto foco de protesto dos petistas em plenário foi a notícia publicada pelo jornal O Estado de S. Paulo de que o governador teria passado a quarta-feira (14/8) em seu gabinete no Palácio dos Bandeirantes monitorando as manifestações de rua e os movimentos da Bancada do PT na Assembleia Legislativa.

“Isso não é papel do governador que tem que se preocupar com a gestão do Estado, em vez de ficar na prática antidemocrática de patrulhar parlamentar. O governador Geraldo Alckmin está resgatando a prática usada pela ditadura militar”, protestou Marcolino.

O uso de bala de borracha pela polícia militar também foi alvo de questionamentos do PT. Marcolino que lembrou que o governador Alckmin afirmou que a Polícia Militar, em São Paulo, não faria mais uso de bala de borracha em ações de contenção de manifestantes. Alckmin deu esta declaração logo após as ações da PM paulista em enfrentamento aos manifestantes, nos atos ocorridos no mês de junho.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.