Reorganização da Região Metropolitana: audiência debate projeto em Embu

02/05/2011 13:04:00

Quarta-feira

 

Com o objetivo de que as prefeituras, os legislativos municipais e estadual e a sociedade possam contribuir para que o Projeto de Lei Complementar 6/2005, que reorganiza a Região Metropolitana de São Paulo, possa avançar em relação a proposta original do governo do Estado, será realizada a última audiência pública, nesta quarta-feira (4/5) em Embu para as sub-regiões Sudoeste e Oeste. 

A audiência será às 18 horas, na Câmara Municipal – Rua Marcelino Pinto Teixeira, 50. Serão abrangidos os municípios de Cotia, Embu, Taboão da Serra, Itapecerica da Serra, Embu-Guaçu, Juquitiba, São Lourenço da Serra, Vargem Grande Paulista, Pirapora do Bom Jesus, Santana do Parnaíba, Itapevi, Barueri, Osasco, Carapicuíba e Jandira.

O debate público é uma insistência da Bancada do PT para garantir a participação da sociedade, a definição clara dos aportes de recursos por parte do Estado para as ações metropolitanas e também garantir que as prefeituras exerçam papel de protagonistas das políticas públicas de interesse regional.

Já aconteceram cinco audiências regionais: na Assembleia Legislativa, no ABC, em Cotia, em Mogi das Cruzes e em Francisco Morato. 

Reorganização da RMSP

Engavetado desde 2005, o projeto que reorganiza a Região Metropolitana de São Paulo ganhou prioridade do governo do Estado para votação.

Os deputados do PT também consideram o tema de muita importância e, justamente por esta razão, querem que o projeto seja debatido em audiências públicas nas cinco sub-regiões da região metropolitana.

Segundo o líder da Bancada petista, deputado Enio Tatto, o projeto precisa ser aprimorado, por exemplo, na questão orçamento e participação popular. Neste sentido, o PT apresentou Projeto Substitutivo, que propõe a criação de Conselho Deliberativo e Fundo de Desenvolvimento da Região, além de entidade autárquica na própria Lei (Agência de Desenvolvimento);.

Fundo é centralizado e tem poucos recursos

A grande crítica dos gestores municipais é que, atualmente, o Estado reserva poucos recursos para o Fundo Metropolitano de Financiamento e Investimento – Fumefi – e ainda decide, praticamente sozinho, como utilizar os mesmos.

Um levantamento feito pela Bancada do PT mostra que nos últimos dez anos, entre os anos 2000 e 2010, o Fumefi teve apenas 46% dos recursos previstos pagos. A previsão era de R$ 567 milhões e efetivamente foram gastos apenas R$ 262 milhões. Durante a gestão anterior do governador Alckmin (2003-2006), o Fumefi teve a menor execução do período analisado. Em 2003 foram 16%; em 2004, 28,4%; em 2005, apenas 6,2%; e em 2006, 33,6%.

Os baixos investimentos do Estado também atingem outras regiões. Os fundos das regiões de Campinas e Baixada Santista tem apenas, anualmente, R$ 5 milhões cada um e também apresentam execução média entre 70% e 80%.

 

 

 

 

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *