Repúdio pela nomeação de Carlinhos Metralha

20/02/2013

Comissão da Verdade

Nota de Repúdio

A Comissão da Verdade do Estado de São Paulo “Rubens Paiva” repudia a nomeação de Carlos Alberto Augusto ao cargo de Delegado de Polícia de 2ª classe do município de Itatiba (SP), publicado no Diário Oficial do Estado de São Paulo.

O delegado é réu num processo criminal movido pelo Ministério Público Federal (MPF/SP), pelo crime de sequestro qualificado do corretor de valores Edgar de Aquino Duarte, em junho de 1971. Junto com ele, são réus o coronel reformado do Exército Carlos Alberto Brilhante Ustra, comandante do Doi-Codi no período de 1970 a 1974 e o delegado aposentado Alcides Singillo. A denúncia, movida pelo procurador Sérgio Suiama foi acolhida pela Justiça Federal em 23-10-2012.

Carlos Alberto Augusto é acusado de envolvimento em desaparecimentos e de comandar sessões de tortura no Dops (Departamento de Ordem Política e Social), durante a ditadura militar (1964-1985).

No Dops, trabalhou de janeiro de 1970 a 1977 onde foi apelidado de “Carlinhos Metralha”, pois costumava andar pelos corredores do departamento portando uma metralhadora. Augusto era subordinado de Sérgio Paranhos Fleury, de quem defende a memória, organizando homenagens, como uma missa convocada para celebrar 30 anos da morte de Fleury, ocorrida em 2009: “familiares, amigos, ex-policiais do Dops e informantes contam com sua presença à missa”.

Augusto ajudou a organizar o massacre da Chácara São Bento, ocorrido em São Bento, em Pernambuco, em 1973. Na ação, feita com a participação do agente infiltrado Cabo Anselmo, de quem Augusto é amigo, seis militantes da organização VPR (Vanguarda Popular Revolucionária) foram executados.

Comissão da Verdade do Estado de São Paulo “Rubens Paiva”
www.comissaodaverdadesp.org.br
contato@comissaodaverdadesp.org.br
@CEVerdadeSP
facebook.com/ComissaodaVerdade.SP

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.