Rodoanel Norte amplia riscos de enchentes na Capital

24/02/2011 16:37:00

Problemas ambientais

Crédito:

 

Construção do Rodoanel Norte vai suprimir 98 hectares de vegetação nativa e , segundo especialistas, deve aumentar problema de enchentes na Capital

O governo do Estado deve aplicar R$ 5 bilhões em uma obra que pode aumentar o problema de enchentes na Capital: o trecho Norte do Rodoanel. O cálculo inicial indica que devem ser suprimidos cerca de 98 hectares de vegetação nativa e especialistas alertam para, entre outras questões, o risco de mais enchentes em São Paulo. Por outro lado, os gastos anunciados pelo governador Alckmin para o combate às enchentes é seis vezes menor– R$ 800 milhões.

O Rodoanel Norte, com 44 quilômetros, ligará o trecho Leste, em Mauá, ao trecho Oeste, passando pelos municípios de Arujá, Guarulhos e São Paulo e está envolto em polêmicas ligadas à preservação da Serra da Cantareira e à interferência na vida da população que habita a área do seu traçado. O trecho exige 50% mais desapropriações que o traçado Sul.

Mais 23 km de impermebialização

Especialistas alertam que o efeito do Rodoanel Norte sobre o rio Tietê pode ser perigoso. Um possível aumento da vazão das águas das chuvas para o rio Cabuçu, na região norte de Guarulhos, devido ao aumento da área impermeabilizada pelo asfalto, pode fazer com que as águas corram mais rapidamente para o Tietê e causem mais enchentes na capital. A área a ser impermeabilizada, apenas em Guarulhos, é de aproximadamente 23 quilômetros de comprimento por 130 metros de largura.

“Enquanto a Mata Atlântica segura a água das chuvas, fazendo com que ela chegue mais devagar nas áreas mais baixas e planas, como é o caso do rio Tietê, quando há pavimentação a tendência é a água descer em corredeira pelos afluentes”, diz Carlos Bocuhy, presidente do Instituto Brasileiro de Proteção Ambiental (Proam) e conselheiro do Conselho Estadual de Meio Ambiente (Consema). No começo deste ano, uma enchente nos córregos Cabuçu de Cima e Cabuçu de Baixo contribuiu com a cheia no Tietê em São Paulo. Eles estão próximos do traçado do Rodoanel Norte.

O geólogo Delmar Mattes, ex-secretário de Vias Públicas na gestão paulistana de Luiza Erundina (PT), alerta que essa é uma das maiores provas de que as obras precisam estar mais articuladas com as políticas de ocupação urbana das cidades. “É preciso pensar o efeito também sobre as cidades vizinhas e trabalhar planos conjuntos para não haver prejuízos lá na frente”, diz.

Poluição vai atingir população do entorno

O impacto sobre a população e a ausência da análise sobre alternativas de engenharia que evitem um impacto direto nas propriedades são outras preocupações.

O presidente do Proam,  Carlos Bocuhy, salienta que ainda não foi avaliada qual a capacidade de dispersão de poluentes gerados pela movimentação de veículos numa região baixa como o pé da Serra da Cantareira. Segundo ele, a floresta não tem capacidade para absorver a poluição gerada pela via, e vai sofrer estragos. O que se verifica em outros casos semelhantes é um dano à mata exposta aos ruídos e à poluição. A fumaça gerada pelos veículos também deve atingir a população que reside no entorno, aumentando a incidência de doenças cardiorrespiratórias. “Estamos assistindo ao mesmo caso de Cubatão (litoral norte de São Paulo). Não se pode jogar num paredão de mata uma fonte de poluição intensa como uma autovia. O Rodoanel deve ficar saturado em pouco tempo, devido à demanda reprimida dos veículos, e esse movimento deve degradar o ambiente”, diz. Em Cubatão, foi necessário reflorestar parte da mata por causa do efeito da poluição.

Bocuhy diz que hoje já é possível realizar estimativas sobre o efeito da poluição provocada por uma autopista sobre a saúde dos moradores e que é um erro não levar isso em consideração no relatório de impactos do empreendimento. “Esses investimentos deviam fazer parte da política de controle de poluição do Estado, pois há uma população envolvida”, diz.

Para o pesquisador Alfésio Braga, da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (USP), a poluição vai bater na Serra da Cantareira e voltar para as áreas mais baixas, chegando à população que vive no entorno. “O estudo não se preocupou em saber qual seria esse impacto para a população, como, por exemplo, o aumento de internações e de tratamentos médicos devido à poluição.”

O problema dos ruídos deve ser o maior vilão para a fauna e a flora da Serra da Cantareira. Segundo Mattes, geólogo, existem 383 espécies catalogadas na região, algumas com risco de extinção. A organização não-governamental (ONG) SOS Mata Atlântica monitora o desmatamento do bioma e a conclusão é de que ele é um dos mais frágeis do país, com apenas 7,9% da sua área total preservada em relação ao original. A conclusão da ONG é de que qualquer desmatamento é uma ameaça.

O número de edificações atingidas com a construção do trecho chega a 2.784 propriedades, das quais 1.844 em São Paulo, 937 em Guarulhos, e 3 em Arujá. É o trecho que deve atingir mais pessoas, seguido do Sul, com 1.813 desapropriações.

*com informações do jornal Valor Econômico

 

 

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.