Salário de médico é de apenas R$ 650

20/01/2012

Retrocesso em SP

Retrocesso na saúde em SP: salário de médico é de R$ 650

O secretário de comunicação do Sindicato dos Médicos de São Paulo (Simesp), João Paulo Cechinel Souza, denunciou em artigo para a Folha de S. Paulo (conteúdo para assinantes) a falácia dos avanços apregoados pelo secretário estadual da Saúde de São Paulo, Giovanni Guido Cerri, aos servidores da Saúde do Estado.

O sindicalista explica que o aumento de dividendos prometido pelo governo do Estado (e ainda não cumprido) para os médicos, por exemplo, de cerca de 19%, “faria com que tais profissionais chegassem a um salário-base verdadeiramente milionário: algo próximo de R$ 650”.

No artigo, João Paulo também lembra que o secretário omite a ressuscitação (e aprovação) do projeto de autarquização do HC (Hospital das Clínicas) da USP e destaca outros problemas enfrentados pelos médicos no Estado, como hospitais mal equipados e com frequente falta de medicamentos e prontos-socorros com escassez de profissionais.

Leia, a seguir, o artigo na íntegra:

Infelizmente, os avanços apregoados pelo secretário estadual da Saúde de São Paulo (“Avanços na saúde”, da edição de 17 de janeiro da Folha) demonstram de forma clara a longa distância entre os gestores enclausurados na secretaria e a realidade vivida tanto pelo servidor público estadual de São Paulo quanto (e principalmente) pelos usuários do Sistema Único de Saúde (SUS) paulista.

O aumento de dividendos prometido (e ainda não cumprido) para os médicos, por exemplo, de cerca de 19%, faria com que tais profissionais chegassem a um salário-base verdadeiramente milionário: algo próximo de R$ 650.

“Avanços” dessa ordem foram esquecidos pelo secretário, que propagandeou ainda a inauguração de um novo hospital na região do Guarujá, o Instituto de Infectologia Emílio Ribas II.
Efetivamente, o estardalhaço foi maior do que os fatos: apenas dez leitos estão ativos naquela unidade -número irrisório, para não dizer risível, dentro da complexidade envolvida no atendimento aos pacientes com doenças infecciosas naquela região sanitária.

O digníssimo secretário também omitiu a ressuscitação (e aprovação) do projeto de autarquização do HC (Hospital das Clínicas) da USP.

Tal projeto (engavetado ainda na época em que Cláudio Lembo era governador do Estado) traria para o HC, uma vez autônomo na gestão das suas finanças, a possibilidade de privatizar efetivamente os seus leitos hospitalares e ambulatórios.

Não por acaso, a iniciativa foi recebida com festa por gestores de grandes hospitais e de planos de saúde privados.

É um fato notório, tendo em vista o esforço para negar a chamada “dupla porta”, consumada nas dependências da instituição e autorizada por tal projeto, que garante aos usuários de planos de saúde privados a utilização de recursos técnicos e humanos disponíveis no HC (com uma agilidade raramente disponível aos que dependem exclusivamente do SUS), que são pagos com dinheiro público.

Podemos citar também outros problemas que enfrentamos diuturnamente, com a anuência dos senhores gestores: dinheiro do contribuinte sendo colocado nas mãos da iniciativa privada para gerenciamento de hospitais públicos, com mecanismos obscuros de prestação de contas; hospitais mal equipados e com frequente falta de medicamentos; e prontos-socorros com escassez de profissionais -aqueles que se aposentam ou pedem exoneração não são substituídos, pois há anos não temos concursos públicos para provimento dessas vagas.

Fora isso, ainda naquele artigo, merece destaque também o empenho pessoal do secretário para enaltecer alguns centros de excelência em saúde do Estado.

Os demais serviços de saúde, porém, permanecem à míngua, com todos os problemas já citados. Eles ficam à espera de que a “benevolência” governamental na hora de distribuir recursos supere os desafios trazidos por apadrinhamentos diversos. Esperam também que se suprima de vez a valorização de projetos particulares de poder.

João Paulo Cechinel Souza, 31, é médico e secretário de comunicação do Sindicato dos Médicos de São Paulo (Simesp)

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.