São Paulo: Alckmin prega no povo uma peça de marketing

12/04/2017

Crédito:

Em matéria veiculada no jornal Folha de São Paulo, desta segunda-feira (10), a população do Estado de São Paulo foi informada que o Governador Geraldo Alckmin, do PSDB, aumentou em muito a previsão de despesas em propaganda para os dois semestres de 2017.

A matéria sugere, ainda, que o motivo para tal elevação é a corrida eleitoral de 2018, para a qual Alckmin é “possível” candidato.

Vamos aos dados: segundo os números divulgados pelo jornal, R$ 101 milhões de reais estão “reservados” para gastos com “comunicação social” pelo governo paulista, um montante 12% maior que no ano passado. Tal aumento está bem acima da inflação do período e acima dos ganhos reais da maioria dos trabalhadores brasileiros nos últimos 12 meses.

Se comparado com os gastos de anos anteriores, o valor é ainda mais absurdo: em 2015, por exemplo, os gastos dos dois semestres foram de, respectivamente, R$ 58 e R$ 32 milhões.

A situação é ainda mais grave quando analisamos a conjuntura do país e do Estado de São Paulo.

O Brasil e São Paulo vivem uma grave recessão e sofrem com elevadas taxas de desemprego.

Com o argumento de cortar gastos, o governo Temer, do qual Alckmin é aliado e no qual o PSDB faz parte do primeiro
escalão, vem atacando diretamente os orçamentos da educação, da saúde e dos programas sociais, bem como aprovando medidas duras contra o povo, como a terceirização irrestrita e o fim da aposentadoria.

Na mesma linha, e alegando ainda grande queda na arrecadação, Alckmin elevou impostos e aumentou, por exemplo, o preço da carne para os consumidores paulistas, bem como de outros importantes produtos considerados “básicos”.

Ainda, com o argumento de falta de recursos, cortou verbas da USP, Unicamp e Unesp e das escolas de ensino médio.

Também, elevou o preço das tarifas da EMTU, dos bilhetes temporais e das integrações com o Metrô e EMTU, argumentando falta de dinheiro, além de derrubar os investimentos destinados às obras de extensão do Sistema Metropolitano de Transporte Público, atrasar a entrega de obras e tirar quase R$ 650 milhões da CPTM, prejudicando ao menos 7 milhões de pessoas.

Alckmin age pensando apenas em sua promoção política e de pré candidato, deixando de lado os interesses da população e fazendo escola com o Dória: gastando no supérfluo e não no essencial.

Por essas razões, não há motivo para uma elevação tão brutal nos gastos com propagando por parte do Governo do Estado de São Paulo e o Governador, mesmo querendo ser candidato no próximo ano, precisa ter mais responsabilidade com a população paulista e garantir recursos para as áreas que realmente precisam, ao invés de tentar fazer pré-campanha com o dinheiro do povo.

* Alencar Santana Braga é Deputado Estadual e Líder do PT na Assembleia Legislativa do Estado de São Paulo.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.