Servidores em vigília alertam para descaso do governo estadual

12/06/2013

Plenária nesta sexta

Os trabalhadores estaduais da saúde, em greve há 43 dias, continuam em vigília na Assembleia Legislativa de São Paulo em protesto ao descaso do governo Alckmin em não negociar com a categoria. Eles ocupam as galerias do plenário Juscelino Kutbischek desde o último dia 4.

Nesta sexta-feira (14/6), será realizada assembleia da categoria às 10h, na Quadra dos Bancários, região central paulistana, quando será feita uma avaliação do movimento, com a expectativa de que o governo atenda às reivindicações. (*Quadra dos dos Bancários, rua Tabatinguera, 192 – Metrô Sé)

Os deputados da Bancada do PT apoiam as reivindicações dos trabalhadores que incluem 32,2% de reajuste salarial referente às perdas acumuladas nos últimos cinco anos, aumento para o auxílio-alimentação de R$ 8 para R$ 22, prêmio de incentivo igual para todos e transparência no uso de recursos do Fundo Estadual de Saúde (Fundes).

Policiais civis definem calendário de mobilização

No ato de policiais civis de São Paulo por melhores condições de trabalho ao governo do Estado, realizado na terça-feira (11/6), os manifestantes fecharam um calendário com datas para assembleias e entrega da pauta de reivindicações. Ficou programada nova assembleia para 5 de julho, quando deverá ser votada a pauta única para todas as categorias da Polícia Civil, documento que será encaminhado para o governador Geraldo Alckmin.

Segundo o presidente do Sindicato dos Investigadores de Polícia do Estado de São Paulo (Sipesp), João Batista Rebouças, a categoria vai aguardar até o dia 31 de julho pela contraproposta do governo, antes de decidir pela greve.

Os policiais reivindicam valorização profissional, o aumento de efetivo, reestruturação das carreiras, cumprimento a lei federal 51/85 pela aposentadoria especial com paridade e integralidade, não aplicada pelo governo do Estado, entre outros pontos.

*com informações das agências

Leia mais

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.