Setorial de LGBT do PT discute cidadania e respeito à diversidade na Assembleia

10/06/2011 15:34:00

Seminário

Crédito:

 

O Seminário Cidadania LGBT do PT em São Paulo promovido pelo Diretório Estadual, nesta sexta-feira (10/6), na Assembleia Legislativa, teve como marco as exaltações do pioneirismo do Partido dos Trabalhadores em defesa da diversidade e da cidadania.

Logo no início da atividade, Julian Rodrigues, coordenador do Setorial Nacional LGBT do PT, defendeu a necessidade do compromisso de rearticular a Frente da Parlamentar GLBT na Assembleia Legislativa.      

Também Lula Ramos, coordenador do Setorial Estadual do LGBT, mencionou a importância de discutir o momento da sociedade brasileira e observar os avanços e retrocessos ocorridos recentemente. Ramos saldou a histórica trajetória do PT em defesa dos direitos e da cidadania do setor LGBT.

Wellington Diniz Monteiro, Secretário Estadual de Movimentos Populares, um dos articuladores do seminário, enfatizou o compromisso do PT com a elaboração de políticas públicas que defendam e garantam avanços no reconhecimento e conquista da cidadania dos integrantes do LGTB na sociedade paulista e brasileira.

Senadora Marta       

Integrante da mesa de debate, a senadora Marta Suplicy ressaltou que o Brasil todo está vivendo um retrocesso em termos de liberdades, que estão sendo cerceadas por uma parcela da população. “Hoje a sociedade civil avançou, as paradas estão se tornando cada vez mais fortes, a sociedade está mais aberta à diversidade. O judiciário também avançou muito, com a aprovação da união estável homoafetiva, dando parecer favorável em adoções”, ressaltou.

Para Marta, na vivência legislativa, o que está acontecendo na Câmara dos Deputados e no Senado é um confronto direto entre duas vertentes da sociedade. “Há parlamentares que dão a cara para bater com os direitos homossexuais, por outro lado, existe a Bancada fundamentalista, totalmente contra”, explicou a senadora.

Outra situação contextualizada pela petista é o que chamou de “demonização”, apregoada pelos parlamentares evangélicos contra o PL 122, de autoria da ex- deputada federal Iara Bernardes, do PT. Segundo Marta, o processo de negociação tem avançado com a possibilidade de apresentação de um substitutivo ou a representação do mesmo com algumas alterações sugeridas por ambas Bancadas.    

A senadora lembrou, ainda, que o Judiciário avançou, mas avalia que há muito o que a sociedade aprender para vivenciar a diversidade, pois outra parte da sociedade ficou violentíssima, o que não tinha antes. “Atualmente há muito jovem participando dessa violência, como os skin head´s, que cometem as agressões na avenida Paulista”, acrescentou Marta.

Os deputados Enio Tatto, líder da Bancada na Assembleia Legislativa, e Alencar Santana, saldaram a iniciativa e expressaram o compromisso com a busca de avanço na elaboração de política pública de integração e respeito à diversidade.

 

 

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.