Solução para trem cheio anda tão lenta como Metrô

24/04/2013

Promessa não cumprida

O primeiro prazo pelo governo do Estado para solucionar o problema foi dezembro de 2009 e o último prometido foi janeiro desde ano. Comprado por R$ 750 milhões em 2008, modelo de controle dos trens, que reduzirá em até 20% intervalo das composições, continua na fase de testes

O governo de São Paulo comprou, em 2008, por R$ 750 milhões, um sistema para reduzir em até 20% o intervalo das composições do Metrô. A tecnologia, vendida como a grande solução para desafogar a lotação nas composições, ainda não funciona e continua em testes.

Os contratos para instalação da nova sinalização foram assinados com a empresa Alstom. A promessa inicial era de que o processo estaria concluído em dezembro de 2009. Mas o Metrô enfrentou uma sequência de problemas técnicos para adaptar os trens à nova tecnologia.

Em outubro do ano passado, o Metrô anunciou que em 90 dias entregaria o novo sistema. A Linha 2-Verde, onde a tecnologia é testada desde 2011, seria a primeira a aumentar o número de viagens dos trens. Novamente o cronograma não foi mantido pela empresa.
De acordo com Altino Prazeres, presidente do Sindicato dos Metroviários de São Paulo, os técnicos da companhia não estariam conseguindo atingir o resultado esperado.

“A única verdade é: compraram o sistema antes de ter garantida a sua viabilidade”, afirmou Prazeres. “Os interesses econômicos falaram mais alto do que as questões técnicas para viabilizar o projeto.”

Um engenheiro do Metrô, na condição do anonimato, confirmou que os resultados dos testes até agora são decepcionantes. Nas palavras dele: “Não conseguimos sair do lugar”.
Em outubro do ano passado, o Metrô informou que os testes vinham ocorrendo no trecho entre as estações Sacomã e Vila Prudente da Linha 2, na Zona Leste. Seis meses depois, esse é o único trecho no qual o sistema foi implantado.

Chamado CBTC (sigla em inglês para Controle de Trens Baseado em Comunicação), o programa permite que a distância entre os trens seja reduzida sem comprometer a segurança. Hoje, o intervalo entre as composições é de 200 metros. A promessa era reduzir essa distância para 70 metros.

Assim, será possível colocar em circulação mais oito trens na Linha 2, cada um transportando duas mil pessoas, o que aumentará a oferta de assentos e reduzirá a lotação. A ideia é estender o modelo para toda a rede, inclusive na Linha 3-Vermelha, caminho para o Fielzão, estádio do Corinthians, na Zona Leste, que abrirá a Copa do Mundo no ano que vem.

Desenvolvido no Canadá na década de 1980, o CBTC é considerado muito seguro. Já é usado na Linha 4-Amarela, operada pela ViaQuatro. Nesse ramal os trens, porém, circulam sem operador dentro do vagão.

Promessa agora é para o 2º semestre

O Metrô disse, por meio de nota, que a previsão para implantar o sistema CBTC agora é a partir do segundo semestre deste ano. “Com a operação do CBTC na Linha 2, será avaliado o seu desempenho para, em seguida, serem iniciados os testes nas linhas 1 e 3”, afirmou.

fonte: Diário de S. Paulo

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *